por Milton F.da Rocha Filho
São Paulo, 3 (AE) - O comércio eletrônico não sofreu problemas com a proximidade da passagem para o ano 2000. "O temor do bug não atingiu o e-commerce", disse o responsável pela área de business da Vesta, Cristiano Machado. A Vesta é uma das maiores companhias de comércio eletrônico do País e atendeu normalmente seus clientes, desconhecendo por completo o bug.
O mesmo aconteceu com a Interchange, que realiza pelo menos transações eletrônicas anuais de US$ 500 milhões: "Não tivemos problema algum", afirmou Maria Aparecida Rosa, responsável pelo sistema da Interchange.
Ela salientou que "o comércio eletrônico brasileiro ainda é pequeno, mas já demonstrou maioridade. Não teve problemas, pelo menos nada chegou ao nosso conhecimento".