|
  • Bitcoin 105.001
  • Dólar 5,2201
  • Euro 5,4921
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 18/06/2022, 19:49

Bruno e Dom foram mortos por disparos de armas de caça

É o que aponta perícia da Polícia Federal, que confirmou neste sábado que o segundo corpo encontrado é do indigenista

PUBLICAÇÃO
sábado, 18 de junho de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

BRASÍLIA, DF  - A Polícia Federal informou neste sábado (18) que o outro corpo encontrado na quarta (15), na região do Vale do Javari, é do indigenista Bruno Pereira, 41. Nesta sexta, a PF já tinha confirmado que o outro corpo era do jornalista britânico Dom Phillips, 57. Ainda de acordo com a perícia, eles foram assassinados com armas de caça. Bruno foi atingido por três tiros, enquanto Dom foi morto com um tiro.

O exame, realizado pelos peritos da PF, indica que a morte de Dom foi causada por "traumatismo toracoabdominal por disparo de arma de fogo com munição típica de caça, com múltiplos balins [chumbinhos presentes em cartuchos de espingarda], ocasionando lesões principalmente sediadas na região abdominal e torácica". Segundo a perícia, ele foi atingido por um tiro.

Já a morte de Bruno Pereira, segundo a PF, foi "causada por traumatismo toracoabdominal e craniano por disparos de arma de fogo com munição típica de caça, com múltiplos balins". A PF diz ainda que, segundo a perícia, o indigenista foi atingido por dois tiros no tórax/abdômen e um outro tiro na face/crânio.

Neste sábado, a Polícia Federal prendeu mais um suspeito de ter participado do assassinato dos dois. Jefferson da Silva Lima, que tem o apelido de Pelado da Dinha, é o terceiro investigado preso no caso. Segundo a PF, Jefferson se encontrava foragido e se entregou na Delegacia de Polícia de Atalaia do Norte. Ele será interrogado e encaminhado para audiência de custódia. Dois homens já estavam detidos pela morte de Bruno e Dom: Amarildo Oliveira, conhecido como Pelado, e o irmão dele, Oseney Oliveira, o Dos Santos.

Pelado prestou depoimento na terça (14) e confessou ter participado da morte do indigenista e do jornalista, de acordo com a polícia. No diante seguinte, ele levou os investigadores ao local do crime. Dois corpos foram localizados na região. Sobre os depoimentos até aqui, a Folha apurou que Pelado mudou sua versão dos fatos. Em um primeiro momento, ele apontou duas pessoas como autoras do assassinato e disse ter participado da ocultação dos cadáveres. Agora, afirma que ele também realizou os disparos contra Bruno e Dom.

Nesse segundo depoimento, Pelado afirmou ter se juntado a Jefferson, com quem seguiu o barco da dupla e deu tiros de espingarda. Fontes ouvidas pela reportagem dizem que a confissão só foi feita por Pelado. Dos Santos disse não ter participação no assassinato. Pelado também nega que seu irmão tenha agido no caso.

MOTIVAÇÃO

A polícia ainda apura a motivação do crime. Como mostrou a Folha, investigadores que atuam no caso têm afirmado reservadamente que as evidências e provas até o momento reforçam a hipótese de que as atividades ilegais de pesca e a caça na região são o pano de fundo do caso. "As investigações também apontam que os executores agiram sozinhos, não havendo mandante nem organização criminosa por trás do delito", afirmou a PF em nota.

Esse comunicado da Polícia Federal indignou a Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari), que afirma que a corporação ignorou as denúncias feitas por eles. De licença não remunerada da Funai, Bruno trabalhava como fomentador da vigilância indígena na instituição. "O requinte de crueldade utilizado na prática do crime evidencia que Pereira e Phillips estavam no caminho de uma poderosa organização criminosa que tentou a todo custo ocultar seus rastros durante a investigação", afirmou a entidade indígena.

"A PF desconsidera as informações qualificadas, oferecidas pela Univaja em inúmeros ofícios, desde o segundo semestre de 2021 [...] Tais documentos apontam a existência de um grupo criminoso organizado atuando nas invasões constantes à terra indígena Vale do Javari, do qual Pelado e Dos Santos fazem parte", completou.

A Univaja alega ainda que o grupo criminoso é formado por caçadores e pescadores profissionais e foi descrito em documentos enviados ao Ministério Público Federal, à própria PF e à Funai.

BARCO 

Policiais federais também buscam formas de encontrar o barco que era utilizado por Bruno e Dom. A embarcação foi afundada com sacos de terra, segundo divulgado pela PF. Em nota nesta quinta, a Polícia Federal afirmou que não ainda foi encontrada a embarcação, "apesar de exaustivas buscas" realizadas na área indicada pelo pescador preso.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), após dizer que a dupla desapareceu em meio a uma "aventura não recomendada" pelo Vale do Javari, desejou sentimentos e confortos aos familiares dos dois. "Nossos sentimentos aos familiares e que Deus conforte o coração de todos", escreveu ele no Twitter, respondendo a uma nota de pesar pela morte da dupla publicada pela Funai.

Bolsonaro foi alvo de críticas feitas por Bruno Pereira em entrevista por telefone à Folha em abril passado, cerca de um mês e meio antes do fatídico domingo (5) em que ele desapareceu. "O presidente não demarcou um centímetro como ele prometeu. O presidente da Funai, o [Marcelo] Xavier, está lá para isso. É a administração do caos. Não sei não [suspiro]. Difícil, cansativo, perigoso. Vamos simbora", respondeu ele na conversa.