|
  • Bitcoin 120.926
  • Dólar 5,0919
  • Euro 5,2455
Londrina

GERAL

m de leitura Atualizado em 27/07/2022, 17:53

Bolsonaro volta a defender remédio sem eficácia e é aplaudido por médicos

Presidente retomou críticas a contratos de compra de vacinas pelo fato de as empresas não se responsabilizarem por efeitos colaterais

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 27 de julho de 2022

Matheus Teixeira - Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Brasília - O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender, nesta quarta-feira (27), o uso de remédios sem eficácia contra a Covid-19 e foi aplaudido por uma plateia de médicos. 

Para o presidente Jair Bolsonaro, o Poder Judiciário "está legislando bastante nesses últimos três anos" Para o presidente Jair Bolsonaro, o Poder Judiciário "está legislando bastante nesses últimos três anos"
Para o presidente Jair Bolsonaro, o Poder Judiciário "está legislando bastante nesses últimos três anos" |  Foto: Clauber Cleber Caetano/PR/25-7-2022
 

 Em discurso no CFM (Conselho Federal de Medicina) dois dias após a PGR (Procuradoria-Geral da República) pedir o arquivamento da investigação aberta a pedido da CPI da Covid devido à propaganda do presidente em favor da hidroxicloroquina, o chefe do Executivo afirmou que "teve uma experiência muito forte de interferência na autonomia médica" na pandemia. 

 O mandatário disse que tomou os medicamentos que compunham o chamado tratamento precoce contra o coronavírus, cuja eficácia não foi corroborada por pesquisas científicas, e que acredita que ficou curado por isso. "No dia seguinte estava bom. Se foi em função disso ou não... Para mim foi", declarou. 

LEIA TAMBÉM:

Médico que vendia Kit Covid com cloroquina é condenado à prisão

Uso de 'kit Covid', sem eficácia comprovada, gera confronto entre médicos

 A CPI tinha solicitado que o presidente fosse indiciado sob suspeita da prática dos crimes de charlatanismo. A PGR pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal), no entanto, que o caso fosse arquivado sob o argumento de que Bolsonaro "acreditava sinceramente" que os remédios podiam ser eficazes. 

 Bolsonaro também retomou as críticas a cláusulas de contratos para compra de vacinas pelo fato de as empresas não se responsabilizarem por efeitos colaterais e se lembrou de quando citou que uma pessoa poderia "virar jacaré" caso fosse imunizada. 

 "O mundo caiu na minha cabeça, figura de linguagem não pode usar mais", reclamou. Ele mencionou que há "pessoas ressabiadas" com as vacinas contra a Covid e que deu liberdade para a população escolher se queria receber a injeção. 

 O presidente foi aplaudido no momento em que criticou os senadores Omar Aziz (PSD-AM) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), presidente e vice da CPI da Covid, e Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão. 

 Bolsonaro disse que poderia ter "acabado rapidinho" com a CPI caso tivesse aceitado uma proposta que autorizava estados a comprarem vacinas que não tinham aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilâncai Sanitária) e sem licitação. "Quem pagava a conta era eu. Não aceitamos isso aí e me acusaram no final de charlatanismo", declarou. 

 O presidente voltou a criticar o Supremo e disse que o Judiciário "está legislando bastante nesses últimos três anos". 

 Bolsonaro estava acompanhado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. A reunião foi fechada, mas o presidente transmitiu seu discurso nas redes sociais. Queiroga afirmou que foram discutidas "políticas públicas de saúde" e a "importância do sistema único de saúde". 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.