Porto Velho, 25 (AE) - O governador de Rondônia, José Bianco (PFL), disse que foi surpreendido com a divulgação do novo salário mínimo e a possibilidade de os governos estaduais estabelecerem um valor superior aos R$ 151,00 anuciados pelo governo federal. O Estado contava com 33 mil servidores até janeiro deste ano, quando foram demitidos 10 funcionários. Os 23 mil servidores que permanecem são regidos pelo Regime Jurídico Único. "Vamos barrar qualquer tentativa de aumento no salário base dos servidores. Pode ser até uma incoerência conceder aumentos em função das nossas últimas medidas", disse o governador, referindo-se às demissões, que resultaram, no início desta semana, num confronto violento entre ex-servidores e policiais militares.
O novo mínimo, segundo Bianco, também não vai interferir no acordo do Estado firmado com os representantes dos policiais militares. Em seu entendimento, o chamado "soldão", cujo impacto na economia deve chegar aos R$ 700 mil, é outro assunto e já foi discutido com a associação da PM. Ele enviou um projeto
regulamentando tal questão, ao presidente da Assembléia Legislativa, Silvernani Santos (PFL). Mesmo com trâmite em regime de urgência, o governador entende que o acordo precisa vigorar a partir do dia 1º de abril.
Bianco destacou que o pessoal da Polícia Civil, Saúde e Educação já tem o benefício assegurado, faltando apenas a PM. "Vamos fazer o possível para evitar o pedido de aumento em função do novo salário", enfatizou.