Aznar é o herói da nova direita Do enviado especial Reali Júnior11/Mar, 15:10 Madri, 11 (AE) - José María Aznar, de 46 anos, é tido hoje, após quatro anos de governo, como o herói da nova direita espanhola. Nascido politicamente no partido franquista - a Aliança Popular, dirigida por Manuel Fraga -, ex-ministro do general Franco (seu pai foi embaixador do caudilho espanhol), nesses anos no poder conseguiu fazer com que os espanhóis esquecessem essa sua origem. Hoje, Aznar é o presidente do Partido Popular (PP), um partido de centro-direita beneficiado por uma conjuntura econômica favorável na Europa. Sua gestão o credencia a conquistar um segundo mandato. Ele disputa com o socialista Joaquín Almunia na condição de favorito. Aznar, que já encarnou a luta de Davi contra Golias na disputa passada contra Felipe González, promete não se eternizar no poder e abandoná-lo no término de seu segundo mandato, caso o PP venha a vencer as eleições legislativas de amanhã. Ele não é apenas a esperança da direita espanhola, mas é considerado um político confirmado para representá-la na luta contra a esquerda socialista. Em 1987, com apenas 34 anos de idade foi notado pelo velho dirigente franquista Manuel Fraga e acabou sendo eleito para a presidência da região de Castilla e Léon. Em pouco tempo esse jovem, comparado a Carlitos por causa do bigode, procurou desvencilhar-se do passado franquista de sua família, fundando o PP, privilegiando uma direita mais moderna, de sua própria geração e designando homens que hoje ocupam a direção dos principais grupos da iniciativa privada, após o prosseguimento do processo de privatizações iniciadopor González. Aznar é um homem hábil que sabe afastar os perigos, o que fez agora, evitando um debate direto com seu adversário socialista, apesar de ter-se saído bem em um debate anterior, há quatro anos quando seu adversário era González. Naquela ocasião ele precisou ousar, mas desta vez necessitava apenas preservar o espaço conquistado. Seu brilho é maior quando aparece esquivando-se dos golpes de seus adversários e não como um homem de ofensiva, que faz surgir o lado autoritário de sua personalidade, criticado por seus adversários e temido por seus partidários. Como Almunia, Aznar é também um homem de família, casado há 27 anos com Ana Botella, sua companheira desde os bancos escolares, é pai de três filhos. Originariamente inspetor de finanças, sua vocação política é até hoje um mistério. Muitos a atribuem, a exemplo de Bill Clinton, às ambições de sua mulher. Seus amigos afirmam que Aznar é um homem de persuasão, acreditando que tudo é possível.