Já chegou a 14 o número de pessoas com dengue em Foz do Iguaçu desde janeiro deste ano. A confirmação veio do Centro de Saúde Ambiental de Curitiba, que apontou a existência de outros dez casos também comprovados em exames laboratoriais, identificados em paraguaios que buscaram tratamento nos postos brasileiros. O resultado dos exames de novas amostras está sendo aguardado pela Vigilância Sanitária da cidade.
Segundo o diretor do Centro, Isaias Cantóia Luiz, o número representa mais da metade dos doentes registrados na cidade durante o ano de 99, quando 45 pessoas contraíram a doença. Luiz informou ainda que a Secretaria Estadual da Saúde está acompanhando o crescimento da epidemia no país vizinho, através de contatos com o ministro de Saúde Pública e Bem-Estar do Paraguai, Martin Chiola.
O médico cubano Francisco Samora, enviado ao Paraguai pela Organização Panamericana de Saúde (Opas), avaliou os últimos levantamentos da Secretaria Nacional de Saúde (Senasa) e chegou a um número assustador de possíveis doentes: 20 mil. Por enquanto, foram confirmados em exames laboratoriais 284 casos no país.
O exame das vísceras da estudante paraguaia, Maria Carolina Godoy Fernandes, que tinha a doença diagnosticada antes de morrer, há uma semana, mostrou que a adolescente não morreu de dengue hemorrágica, mas sim de ‘‘agravamento da dengue tipo 1 em conjunto com outra doença’’.
Somente na região do Alto Paraná, onde fica Ciudad del Este, existem mais de 3 mil paraguaios com sintomas de dengue. O chefe da 10ª Regional de Saúde da cidade paraguaia, Eugênio Camarra, disse que é impossível avaliar o número de casos na região, restando apenas combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença e também da febre amarela.