Nova York, 01 (AE-AP) - O mundo comportou-se magnificamente.
A meia-noite chegou em um país após o outro e não houve ataques terroristas, vazamentos radioativos provocados pelo bug do ano 2000 nem suicídios coletivos por parte de cultos apocalípticos.
Pelo contrário, sete continentes ingressaram jubilosamente no século 21.
Os computadores que controlam tráfego aéreo, redes elétricas e operações militares entraram sem inconvenientes no ano 2000. Os milhões de dólares investidos para prevenir os problemas informáticos resultaram eficientes ou desnecessários.
O ano 2000 terminou de chegar à Terra às 11h GMT deste sábado (9h em Brasília) na Polinésia Francesa, ilhas Midway, Nuku Hiva e Samoa.
Em quase todo o mundo os festejos transcorreram sem muitos inconvenientes, mas em Paris houve dezenas de feridos. Em Las Vegas um homem morreu ao cair de um mastro.
Em Anchorage, Alasca, uma ameaça de bomba obrigou as autoridades locais a retirarem as 20.000 pessoas da praça central e de um teatro próximo, apesar de a polícia não ter encontrado nada. Em Los Angeles um garoto de 11 anos foi ferido por uma bala perdida.
Os piores incidentes foram registrados na Itália. Duas pessoas morreram e 952 ficaram feridas em todo o país devido a explosões de fogos de artifício durante os festejos de Ano Novo, segundo dados oficiais do Ministério de Interior.
Na Times Square de Nova York, uma bola de fino cristal de 500 quilos desceu enquanto mais de um milhão de pessoas dançavam, se beijavam e cantavam a tradicional canção de amizade "Auld Lang Syne".