Brasília, 29 (AE) - O presidente do Congresso, senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), disse há pouco, ao retornar ao Senado, após o almoço, que acredita que o Supremo Tribunal Federal (STF) irá rever a decisão de concessão do auxílio-moradia para os magistrados. "Se isso permanecer, vamos ter um caos financeiro através das reivindicações que dificilmente poderão ser contidas; então, chegou o momento de uma atitude de sensatez e boa reflexão." O senador afirmou ter certeza de que o Congresso fará a revisão da decisão "para dar ao País mais um exemplo de sua ação digna e sempre correta". O senador disse ter a impressão de que, nas próximas horas, "pode acontecer alguma coisa" em relação ao teto salarial e auxílio-moradia. Informou que pretende discutir ainda o auxílio-moradia com alguns senadores para definir a maneira de agir diante da questão. Magalhães afirmou que "quem não refletir num momento tão grave não está à altura do posto que exerce e isso vale para os tribunais, para o Congresso e até para o presidente da República". Segundo ele, uma reação forte contra a medida no Supremo era prevista. "Eu não posso ver um homem como Moreira Alves (ministro do STF), que é um símbolo do Brasil, metido nisso, e acho que foi uma hora infeliz do ministro Jobim (Nelson Jobim, do STF)." O senador disse não acreditar no apoio do presidente Fernando Henrique Cardos à decisão do STF e avaliou que o presidente não gosta de se meter em assuntos de outros poderes. O senador acha que a concessão do auxílio fortalecerá o movimento em torno da elevação do salário mínimo. Para o ele, quem vai dar um auxílio para quem tem casa ou apartamento, às vezes subsididado, não poderia deixar de dar mais 30 ou 40 reais a quem ganha o salário mínimo. "Tenho certeza que o Supremo, no momento em que revogar essa liminar, em que entrar no mérito tornando sem efeito, vai ter realmente o aplauso do Brasil inteiro", finalizou.