São Paulo, 05 (AE) - As chuvas no Estado de São Paulo desde o dia 1.º fizeram o índice de abstenção das provas da segunda fase do vestibular da Fuvest no interior ser maior do que na capital, segundo declarações do supervisor dos exames, professor José Coelho Sobrinho. Nas provas feitas hoje, 8,59% dos candidatos faltaram à prova de Biologia no interior, enquanto na capital o índice foi de 7,55%. A prova de Geografia apresentou 9,97% de abstenção nas outras cidades e 8,8% em São Paulo. O índice geral para a área de biológicas foi de 8,02% e, na área de humanas, de 9,19%.
A Fuvest informou que não houve registro de ocorrências - como inundações ou queda de energia- em razão das chuvas em nenhum local de prova. Quem encontrou coragem para enfrentar a chuva e as provas não achou as questões difíceis. Os candidatos da área de humanas consideraram o exame de Geografia mediano. Grande parte dos que saíam das salas na Faculdade de Educação da USP comentava a primeira pergunta da prova. "Não tenho a mínima idéia do que possa ser terras de negros", disse o candidato Rogério Dickie, de 21 anos, sobre o conteúdo da questão. Dickie considerou fácil o restante da prova. O estudante Felipe Andrade Mota, de 18 anos, disse não ter ouvido falar do tema no colégio ou cursinho.
Razão - Para a professora Vera Antunes, do curso Objetivo, os vestibulandos têm razão em reclamar. "Com certeza, a resposta não está em nenhum livro didático e não se pode perguntar o que não faz parte da formação dos candidatos", disse. Vera acredita que o conteúdo da pergunta só pode ser encontrado em alguma tese na USP.
Os conteúdos vistos na escola foram considerados suficientes para responder à prova de Biologia, na opinião de Vitor Rodrigues, de 20 anos, candidato a uma vaga em biologia, e Daniel Schor, de 17 anos, que presta vestibular para psicologia. "Estava bem acessível", disse Vitor. Para Simone Myiashita, que disputa uma vaga no curso de farmácia, as questões eram trabalhosas, mas fáceis. "Tinha uma muito bem elaborada que relacionava atividade muscular, pH e temperatura", disse.
A exigência de interpretação presente nas questões foi considerada positiva pelo professor do Objetivo Clésio Morandini. Na sua opinião, a questão número 5, sobre digestão de proteínas, exigia mais conhecimentos de química do que de biologia. Para a prova de amanhã (06), Física, é preciso levar uma régua graduada, esquadro e compasso, além de lápis, caneta e borracha.