São Paulo, 4 (AE) - Os provedores de acesso à Internet estão exigindo da Telefônica condições iguais às oferecidas ao Bradesco, que lançou esse serviço gratuitamente aos seus clientes há cerca de três semanas. Os provedores vêm solicitando desde setembro que a Telefônica autentique em sua rede IP os usuários de Internet, o que dispensaria a infra-estrutura de linhas de acesso. Essa operação está sendo feita pioneiramente para o Bradesco, que mantém os seus servidores, garantindo a passagem dos correntistas pela sua homepage.
Esse tema será discutido hoje novamente em reunião da Associação Brasileira dos Provedores de Acesso à Internet (Abranet) com a direção da Telefônica. Essa será a segunda reunião das duas partes desde que o Bradesco lançou o acesso gratuito.
A Abranet admite que não há como reverter o caminho trilhado pelo Bradesco e que, provavelmente, será seguido por outros bancos. No mercado de Internet, fala-se no Unibanco e no Itaú como os próximos a oferecer aos clientes acesso gratuito à rede.
Hoje os provedores de acesso alegam que são reféns do que a Telefônica quiser oferecer já que ela não tem concorrente no Estado. A concorrência plena nas telecomunicações deve ter início em 2002, mas até lá alguns provedores ainda podem estar presos a contratos com as condições da Telefônica - "contratos de fidelização", como chamou um executivo do setor ouvido pela Agência Estado.
Assim, os provedores exigem "condições de igualdade". Segundo uma fonte, a primeira reunião com a Telefônica sobre o tema, no dia 29 de dezembro, foi conduzida em termos ásperos. A de hoje será em nível operacional.
Outra demanda dos provedores é a flexibilização das exigências técnicas para ter acesso ao ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) da Telefônica - batizado de Speedy - com upload e download em alta velocidade. Até agora, apenas o UOL e o ZAZ, do grupo Telefônica, atenderam as exigências para prestar o serviço de Internet rápida, segundo os provedores. Em meio às negociações, a Abranet está desenvolvendo um estudo mapeando o mercado brasileiro de acesso à Internet.