Agência Estado
De Brasília
Médicos e dentistas de todo o País terão uma relação de remédios genéricos e similares como alternativa aos de marca na hora de prescrever uma receita. A lista, com os 300 remédios mais vendidos no País, 580 similares e genéricos seus respectivos preços, foi entregue ontem pelo Conselho de Farmácia do Distrito Federal a representantes de todos os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) e de Odontologia.
‘‘A lista é um instrumento de defesa dos consumidores’’, disse Antônio Barbosa da Silva, presidente do Conselho de Farmácia do DF. Segundo Brabosa, a alternativa de prescrição de remédios além de gerar benefícios à população ainda vai tranquilizar os profissionais quanto à qualidade dos remédios genéricos e similiares. De acordo com Barbosa, a relação será atualizada mensalmente e poderá incluir novos produtos, dando aos médicos alternativas para a prescrição.
O presidente do CRM do Distrito Federal, Eduardo Guerra, afirmou que os médicos estavam muito preocupados com a prescrição de remédios apenas pelo nome genérico. O motivo, segundo ele, é que ‘‘os profissionais não tinham certeza quais as drogas que seriam oferecidas no balcão das farmácias’’.
Ao receitar o remédio de marca Cataflan, que custa em média R$ 11,31 nas farmácias, o médico poderá também optar por outros antibióticos similares ou genéricos. Nesse caso, o médico pode receitar ao paciente os genéricos Diclofenaco Potássico (R$ 7,15) e Neocoflan (R$ 6,98), ou o similar Flogan, que custa R$ 9 88, segundo a lista do CRF. No caso do antiulceroso Gastrium, que saiu por R$ 53,77, o médico terá outras quatro alternativas, todas mais baratas, para receitar aos doentes.
As farmácias também vão receber um cartaz com orientações aos consumidores sobre a lista alternativa dos remédios. O cartaz vai despertar no consumidor a necessidade dele recorrer ao farmacêutico para tirar suas dúvidas sobre o que é um medicamento de marca e um genérico, por exemplo.