Recife, 23 (AE) - O ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, o diretor da Conservation International (CI) no Brasil, Roberto Cavalcanti, e a diretoria internacional da Ford entregam amanhã (24), no Recife, os prêmios Henry Ford de Conservação Ambiental aos especialistas ou projetos que mais se destacaram no último ano. É a quarta edição desse prêmio, que já se tornou o mais importante no Brasil.
Os premiados foram selecionados entre cerca de cem propostas, concorrentes nas categorias Conquista Individual, Negócios em Conservação, Ciência e Formação de Recursos Humanos e Iniciativa do Ano.
Maria Teresa Jorge Pádua, da entidade ambientalista Funatura, de Brasília, recebeu o prêmio na categoria Conquista Individual. Um grande número de parques e reservas brasileiros deve sua criação a Maria Teresa, que trabalhou no antigo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF) durante 13 anos, terminando como sua presidente, em 1981.
Depois, já à frente da Funatura, também foi responsável pela elaboração de diversos planos de manejo dentro de unidades de conservação, com destaque para o Parque Nacional Grande Sertão Veredas, que protege o cerrado e é o único a ter um projeto de conversão da dívida brasileira para o meio ambiente.
Alguns dos maiores e mais distantes parques brasileiros - como o de Jaú, Pico da Neblina e Pacaás Novos, na Amazônia - existem graças à sua persistência, assim como alguns programas de longo prazo de recuperação da fauna, como os de proteção às tartarugas marinhas (Tamar), peixe-boi marinho, aves migratórias e predadores.
Ecoturismo - A entidade MataDentro foi premiada na categoria Negócios em Conservação, provando que a opção do ecoturismo pode ser sustentável, tanto ecológica como economicamente. Há seis anos cinco estudantes universitários resolveram transformar sua paixão pelos esportes radicais e turismo de aventura em um negócio, numa cidade sem grandes perspectivas de desenvolvimento, chamada Brotas, no interior de São Paulo.
Hoje, a MataDentro é uma referência no Brasil pelo seu trabalho de mobilização da comunidade, educação ambiental e criação de infra-estrutura adequada para esse tipo de turismo. Para chegar a isso, a entidade investiu nas parcerias com sitiantes, preparou as cachoeiras e atrações para receber os turistas e abriu possibilidades de um comércio de doces e artesanato local. Agora, já existem 10 sítios turísticos, 12 pousadas, 9 restaurantes, 4 agências de turismo e mais de 500 pessoas trabalhando direta ou indiretamente.
Premiado na categoria Ciência e Formação de Recursos Humanos, o atual diretor do Museu de Biologia Mello Leitão, Sérgio Mendes, investe na sensibilização e capacitação de agentes comunitários da região serrana capixaba. O museu foi criado em Santa Teresa (ES) em 1949, pelo estudioso dos beija-flores e patrono da ecologia no Brasil, Augusto Ruschi, voltado para o estudo e conservação da natureza. Mesmo depois de sua morte, em 1986, o museu continuou investindo na formação de recursos humanos, com diversos programas de capacitação técnica e de educação ambiental - como o projeto Museu vai à Escola - que já atingiu mais de 30 mil pessoas.