Em 2010, o contato com a rede elétrica causou 304 mortes no Brasil, sendo 16 no Paraná, segundo dados da Companhia Paranaense de Energia (Copel). No Estado, construção civil, manutenção predial e atividade agrícola são os setores que lideram os acidentes. Reconhecendo a gravidade da situação e buscando conscientizar a população sobre os riscos, a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) promoveu, em parceria com 42 concessionárias, a VI Semana Nacional de Segurança com Energia Elétrica.
A Copel também participou da campanha e desde o último sábado realizou diversas ações com o objetivo de orientar os consumidores quanto ao risco de acidentes com a rede elétrica. Em Londrina, as atividades seguiram até ontem com foco no uso seguro da eletricidade e na distribuição de materiais de orientação. Segundo dados da Fundação Coge, que agrega 67 empresas do setor elétrico, 40% dos acidentes com a rede elétrica costumam ser graves ou fatais.
O supervisor de Segurança da Copel, Marcos Dantas de Oliveira, ressalta que as descargas elétricas que ocorrem nas redes externas possuem intensidade violenta e exigem maior atenção por parte dos moradores da zona rural, pois os riscos de lesões graves e até fatais são muito superiores aos acidentes domésticos.
Segundo ele, a principal orientação para evitar acidentes no campo é não estacionar o maquinário embaixo dos fios elétricos. ''Muitos produtores sobem para fazer a manutenção do equipamento e acabam encostando na rede elétrica'', afirma. Além disso, o contato do maquinário com a fiação já representa risco. Nestes casos, a orientação é para que o agricultor se mantenha dentro do veículo e não tente sair. ''A rede tem um sistema de proteção que desliga a energia depois de um certo tempo de contato com a máquina, mas o ideal é não passar com o veículo próximo aos fios'', reforça.
Oliveira explica que até mesmo a utilização de pulverizadores deve ser evitada embaixo dos fios elétricos para que não ocorra contato acidental. ''Quando os cabos se rompem e caem no chão, o produtor não deve se aproximar. A indicação é para que sinalize o local e entre em contato com a Copel para que os técnicos solucionem o problema'', esclarece. A instalação de antenas com barras de ferro também exige cuidado, tendo em vista que o transformador costuma ficar próximo das casas na zona rural e o contato entre ambos pode ocasionar choque elétrico.
Em casos de pomares localizados próximos à fiação, Oliveira chama a atenção dos agricultores para a hora da colheita, quando há risco de tocar a rede elétrica escondida pela copa da árvore. Segundo o supervisor de segurança da Copel, mesmo se o contato com os fios ocorrer por meio de um bastão de madeira, bambu ou outra ferramenta utilizada para a colheita, há risco de choque elétrico. Por fim, Oliveira orienta que o produtor não deve tentar reparar ou fechar a chave fusível - que pode se abrir ou sofrer danos após intempéries climáticas. Nestes casos, é preciso solicitar reparos junto à Copel.
Resultados
Os dados dos últimos dez anos mostram uma redução de 4,8% ao ano na taxa de gravidade nos acidentes e de 4% na taxa de frequência. O número de mortes também diminuiu 7% de 2009 para 2010. No Paraná, entre 1998 e 2010, o número de acidentes fatais caiu de 41 para 16, uma redução de 61%.

Imagem ilustrativa da imagem Rede elétrica exige atenção do agricultor