Quebra no Paraná
Nas lavouras de café paranaenses a incidência de geadas e ventos frios seguidos de estiagem provocaram a quebra de 19,4% na produção, com a redução de 32.857 toneladas. A produção inicial de café da safra 99/2000 estava estimada em 169.313 toneladas, pelo Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Estado e agora deve cair para 136.456 toneladas. O prejuízo total está avaliado em R$104 milhões. A região mais prejudicada é a Norte, com a perda de 18,9% na produção, correspondendo à redução de 23.323 toneladas. A produção inicial na região, que é a maior produtora de café do Estado, era calculada em 123.648 toneladas. Com a seca esse cálculo foi reavaliado para 100.325 toneladas, o que equivale à perda de quase R$74 millhões aos produtores.
Na região Noroeste o prejuízo está avaliado em quase R$20 milhões, com a perda de 6.289 toneladas de café. Isto corresponde a uma quebra de 22,7% na produção. A produção inicial estava avaliada em 27.658 toneladas e a estimativa atual prevê 21.369 toneladas. Na avaliação geral do Estado, o Deral constatou a quebra de 20% na safra de café, que terá a colheita reduzida e 2,8 milhões de sacas para 2,28 milhões de sacas.
Há ainda quebras de 11% nas lavouras de cebola, 5% na produção de fumo e 3% na produção de mandioca.(Vânia Casado, de Curitiba).