Porophylum ruderale (Jacq.) Cass Cristina Côrtes De Londrina Conhecida também como couve-de-veado, arnica, erva-fresca e arruda-de-galinha, esta erva teve seu uso popular difundido para tratamento de vários problemas de pele. Seus princípios ativos ajudam a cicatrização, impedindo a inflamação, e também combate micoses. Cultivo É uma planta anual, invasora de culturas e terrenos baldios, e se propaga por sementes. Atinge a altura de 70 centímetros. A parte usada são as folhas verdes, que crescem de forma oposta e cruzadas. Indicações Como cicatrizante, a composição química desta planta faz com que ela seja indicada para combater germes. De uso tópico é indicada no tratamento de eczemas (erupções da pele ou grosseiras) e erisipela. Para estes casos prepara-se infusão com 1 xícara (chá) de folhas amassadas e picadas em 1 litro de água fervente. Deixar em repouso por 10 a 15 minutos. Coar e aplicar na forma de compressas sobre as áreas afetadas. Como antiinflamatório, e também contra febre pode-se preparar a infusão adicionando-se 1 xícara (chá) de água fervente sobre 1 colher (sopa) rasa de folhas picadas. Tomar 2 xícaras de chá por dia. No combate a inflamações e dores nas articulações ou juntas, nas contusões (manchas roxas decorrentes de pancadas), utilizam-se 4 colheres (sopa) da planta picada, 3 xícaras de álcool (96 graus GL) em uma xícara de água. Deixar macerando por 6 horas. Coar, guardar em frasco escuro. Utilizar para massagens e fricções nas áreas afetadas. O cravinho também combate micoses e para isso deve ser usado seu sumo ou alcoolatura. Para obter o sumo amasse as folhas, extraia o sumo e aplique na área afetada 2 a 3 vezes por dia. Para fazer a alcoolatura utilize 3 colheres (sopa) de folhas picadas em 1 xícara de álcool (96 graus GL) e 1 colher (sopa) de água. Deixe macerando por 24 horas. Côe, filtre e conserve em frasco escuro por até 5 dias. Após este prazo, faça outra solução. Aplique 3 vezes por dia em micoses da pele e das unhas. Tanto o sumo como a alcoolatura devem ser utilizados até o desaparecimento das lesões, e depois o tratamento deve ser mantido por mais 1 ou 2 semanas. Fontes ‘‘Noções sobre o Organismo Humano e Utilização de Plantas Medicinais’’, uma publicação da Universidade Estadual de Maringá, e Centro de Oficinas da Mulher, da Secretaria Especial da Mulher do município de Londrina. O centro oferece cursos regulares sobre ervas medicinais e condimentares (formação de mudas, plantio, colheita, secagem e confecção de produtos com plantas medicinais). O telefone do centro é 339-1233 Outras informações e sugestões pelo telefone (operadora) 43-374-2118, com Cristina Côrtes ou pelo fax (operadora) 43-339-1412 ou e-mail: editoria @folhaweb.com.br