|
  • Bitcoin 141.935
  • Dólar 4,8850
  • Euro 5,1568
Londrina

FOLHA RURAL - ROTA DO QUEIJO

m de leitura Atualizado em 24/03/2022, 17:45

Paraná lança Rota do Queijo com 29 produtores em 23 municípios

Turista pode acessar um mapa com todas as queijarias cadastradas e a localização

PUBLICAÇÃO
sábado, 26 de março de 2022

LUCAS CATANHO Especial para a FOLHA
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Rota do Queijo acaba de lançar mapa com a localização das 29 queijarias cadastradas Rota do Queijo acaba de lançar mapa com a localização das 29 queijarias cadastradas
Rota do Queijo acaba de lançar mapa com a localização das 29 queijarias cadastradas |  Foto: Gisele Barão/Seab
 

O IDR (Instituto de Desenvolvimento Rural) do Paraná lançou a Rota do Queijo, inicialmente com 29 queijarias localizadas em 23 cidades paranaenses. O objetivo central é proporcionar ao turista a experiência de degustar diferentes sabores, com características peculiares em cada região do Estado.

“A vivência e a interação com os produtores rurais e as atividades na propriedade também são belos atrativos que o turista irá encontrar, além das paisagens rurais que naturalmente enchem os olhos de quem passa”, destaca Terezinha Busanelo Freire, coordenadora de Turismo Rural do IDR Paraná e idealizadora da Rota.

A Rota do Queijo Paranaense congrega diferentes opções de queijos produzidos por produtores rurais, sendo o principal o queijo colonial maturado.

No entanto, o turista poderá encontrar também queijo frescal, temperado, envelhecido ao vinho, queijo coalho, muçarela, provolone, parmesão, morbier, saint paulin, brie, camembert, asiago, appenzeller, emmental, raclette, entre outros derivados do leite como a ricota, mistura para fondue e doce de leite.

“O queijo, além de ser um produto com alto teor nutricional, é um patrimônio cultural que carrega em si um saber fazer ancestral, que conecta terra, produção e mãos habilidosas de seus produtores. Queremos mostrar o Paraná com seus encantos, mas principalmente com seus produtos locais, a qualidade já conquistada e a diversidade de opções”, destaca a coordenadora.

MAPA

Para conhecer os atrativos da Rota do Queijo, o turista pode acessar um mapa que proporciona uma visão rápida em qual região do Estado estão localizadas as queijarias que compõem o traçado do roteiro. Segundo a coordenadora, é um material dinâmico que sofrerá alteração a cada adesão de uma nova queijaria. 

“A Rota do Queijo é uma ação dinâmica. A qualquer momento novas queijarias podem integrar o roteiro. Assim, queremos construir uma sólida conexão do produto queijo com a atividade de turismo rural, promovendo o Paraná como um destino gastronômico.”

O mapa traz a localização das 29 queijarias cadastradas e validadas nessa primeira etapa da Rota.

VITRINE

Ainda na década de 1990, tendo como espelho a sogra que já fazia queijos, Roseli Martinazzo e o marido, Claudemir, compraram duas vacas e começaram a fazer queijo e vender para parentes e amigos em Itapejara do Oeste, no sudoeste.

Queijo colonial é o carro-chefe da Queijos Martinazzo, em Itapejara do Oeste Queijo colonial é o carro-chefe da Queijos Martinazzo, em Itapejara do Oeste
Queijo colonial é o carro-chefe da Queijos Martinazzo, em Itapejara do Oeste |  Foto: Divulgação
 

Mas a procura foi aumentando e, com isso, foi necessário construir uma queijaria. Em 2008, eles ganharam um pasteurizador por meio de um projeto do Cefet (Centro Federal de Educação Tecnológica) e da Secretaria Municipal da Agricultura.

“Depois disso fomos fazer o registro para vender nos supermercados. No começo, eu levei uma pecinha de queijo para cada gerente dos supermercados daqui, eram três na época. Dali a uns dias começaram os pedidos”, relembra.

O carro-chefe é o queijo colonial artesanal, mas hoje são produzidas mais cinco variedades: temperado com orégano, com pimenta calabresa, com chimichurri, temperado com tomate seco e o queijo curado no vinho.

Roseli está empolgada em integrar a Rota do Queijo. “Já recebemos a primeira visita agora em março, com várias lideranças, o secretário estadual da Agricultura, profissionais do IDR, além de prefeitos de várias cidades da região. A Rota nos dará mais visibilidade e agregará maior valor ao nosso produto”, celebra.

A qualidade do produto tem rendido prêmios para a Queijos Martinazzo. “Em 2018, ficamos em primeiro lugar em um concurso de queijo artesanal em Francisco Beltrão e, em 2019, ganhamos a medalha de ouro em um concurso nacional em Florianópolis”, relembra.

Para garantir a melhor qualidade possível do produto, Roseli preza pelas boas práticas de manipulação. “O cliente é muito importante para nós”, conclui.

Agendamentos de visitas pela Rota do Queijo podem ser feitos pelo telefone (46) 99978-7059.

DE FAMÍLIA

Proprietária da Queijaria Família Baptista, a produtora Carolina Baptista relembra que o avô, Dario, e as irmãs dele aprenderam a receita do queijo e, em 1939, iniciaram a própria queijaria. “Meu pai e minhas tias também aprenderam e trabalharam na produção de queijo.”

Queijo purungo, ao centro, é o carro-chefe da Queijaria Família Baptista, em Palmeira Queijo purungo, ao centro, é o carro-chefe da Queijaria Família Baptista, em Palmeira
Queijo purungo, ao centro, é o carro-chefe da Queijaria Família Baptista, em Palmeira |  Foto: Divulgação
 

Queijo esse que ficou conhecido em Palmeira (sul), como purungo. É um queijo de sabor suave, normalmente servido fresco, com alta umidade e massa filada.

“Não deixamos essa tradição da família acabar. Demos início à nossa queijaria em 2019, com a intenção de manter uma produção artesanal com aquela receita especial e tradicional. O nosso rótulo leva a imagem da Fazenda Conceição, fazenda onde meu avô iniciou, manteve e passou para seus sucessores a tradição do queijo purungo.”

A queijaria produz hoje diversas variedades além do purungo: nozinho, requeijão, traçado de vinho, com linguiça, com orégano, ervas finas, manjericão, trufado com goiabada ou doce de leite, marinado com ervas finas e alecrim, colonial, maturado, além de rocambole de queijo com rúcula, tomate e peito de peru.

“O carro-chefe é, com certeza, o queijo purungo que ganhou medalha de prata no concurso internacional de Araxá de 2021. Concurso esse que nos deixou muito contentes e animados, pois foi o primeiro que participamos.”

Agora, Carolina diz estar entusiasmada por poder participar da Rota do Queijo. “Estamos preparando nossa propriedade para poder receber turistas, fazendo um espaço para restaurante e café, além da pessoa poder visitar e entrar em contato direto com a natureza”, pontuou.

A propriedade já serve café rural com agendamento prévio e, em breve, estará servindo refeições também. O espaço conta com redes e locais de descanso em meio à natureza.

Agendamentos de visitas pela Rota do Queijo podem ser feitos pelo telefone (42) 99906-3829.

ORIGEM

O lançamento da Rota do Queijo Paranaense foi em 9 de dezembro de 2021 no IDR Paraná, em Curitiba, porém sua estruturação começou em setembro com as primeiras reuniões, com uma comissão de técnicos dos programas de Turismo Rural e de Agroindústria Familiar do IDR, que discutiram os critérios para adesão das queijarias.

Posteriormente, foi realizada reunião com os produtores interessados e efetivado o cadastramento dos produtores.

“Após o cadastramento, as queijarias tiveram um período para comprovar de forma documental o registro de inspeção sanitária emitido pelo órgão oficial. Para integrar a Rota, a queijaria precisa ter registro em um dos sistemas de inspeção sanitária como o SIM, SIP, SUSAF, SIF, ou SELO ARTE”, explica Terezinha.

PREMIAÇÃO

O Paraná vem conquistando gradativamente projeção na qualidade de seus queijos. A partir do concurso de 2018, realizado na época pela Emater - hoje IDR Paraná -, muitas outras medalhas de diferentes concursos nacionais e internacionais vieram para o Paraná. 

Na Rota do Queijo, recém-implantada, existem seis queijarias premiadas no 5º Prêmio Queijos Brasil realizado em 19 de setembro de 2019 em Florianópolis (Ouro: Queijos Marangon – Saudade do Iguaçu; Queijos Martinazzo – Itapejara do Oeste; Queijaria Produtos Angelita – Pinhão. Prata: Queijaria Bella Vista – Ribeirão Claro; Produtos Eliane – Dois Vizinhos. Bronze: Queijaria Vidalat – Francisco Beltrão). 

No concurso internacional de Araxá em 2019, a Queijaria São Bento de Chopinzinho obteve medalha de prata. Em 2021, as queijarias Bella Vista de Ribeirão Claro e Família Baptista de Palmeira também ganharam medalhas de prata.

“E outros queijos do Paraná já foram premiados em diferentes concursos. Isso mostra que o terroir paranaense pode se destacar e conquistar patamares de altíssima qualidade e aceitabilidade”, destaca a coordenadora de Turismo Rural do IDR.

EXPO LONDRINA

Está sendo finalizado o material publicitário individual de cada queijaria, que será divulgado durante a Expo Londrina, de 1 a 10 de abril, na Unidade Didática do Turismo Rural na Via Rural Fazendinha.

“Iniciamos a etapa de promover junto às operadoras e agências de viagens a comercialização da Rota do Queijo Paranaense. Também teremos o Passaporte do Queijo para que o turista possa registrar a visita em cada queijaria, a exemplo do que ocorre com as caminhadas na natureza. O objetivo é estimular o turista a completar a rota toda, com a possibilidade de ganhar prêmios (queijos) quando concluir, mas principalmente estimular o turista a conhecer o Paraná rural”, conclui a coordenadora.

SERVIÇO

Para acessar o mapa com todas as queijarias, basta apontar o seu celular para o QR Code:

https://drive.google.com/file/d/1jtQJSXW97GPR-DKoRh3G2IP986vgBRTJ/view