Mauá mostra alta produtividade Média superou 7.200 kg/ha no ano passado e produtividade chega a 9.000 kg/ha em cultivos comerciais nesta safra Agricultores no dia-de-campo da Integrada em Mauá da SerraSeisuke Ito, Haroldo Uemura, Makoto Kayanuma (técnico agrícola da cooperativa) e Sérgio Igashibara.MilhoPela primeira vez estiveram presentes no dia-de-campo empresas de defensivos Jota Oliveira De Londrina Enquanto a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) prevê para esta safra produtividade média nacional de 2.747 quilos ou cerca de 46 sacas por hectare, e média paranaense de 3.580 kg/ha (em torno de 60 sacas/ha), em Mauá da Serra (54 km ao Sul de Apucarana), a média foi superior a 7.200 kg/ha (mais de 120 sacas/ha) no ano passado e está alcançando 9.000 kg/ha (150 sacas/ha) nos campos comerciais, na atual safra, segundo informação da Cooperativa Agropecuária de Produção Integrada do Paraná Ltda.(Integrada, sediada em Londrina). A média obtida naquele município só tem sido superada em campos demonstrativos montados por empresas produtoras de sementes e outros insumos, cooperativas e instituições de pesquisa. A Integrada promoveu semana passada dia-de-campo para mostrar novos híbridos de milho e novos defensivos. Foi o quarto desses dias-de-campo promovido pela cooperativa e o resultado será conhecido apenas quando terminar a colheita na área, mas no ano passado as três maiores produtividades alcançadas foram 13.082 kg/ha (218,13 sacas), 13.025 kg/ha (217,08 sacas) e 12.683 kg/ha (211,38 sacas). Plantio direto O dia-de-campo sobre competição de híbridos de milho foi apresentado em área de 2,4 hectares na Fazenda Igashibara, pertencente ao engenheiro-agrônomo e agricultor Sérgio Kasutoshi Igashibara, coordenador do núcleo de cooperados da região de Mauá da Serra. O agricultor e agrônomo Haroldo Uemura, membro do Conselho Fiscal da Integrada, explica que a alta produtividade obtida na região atendida pelo escritório regional da cooperativa sediado em Mauá (atende também os municípios de Marilândia do Sul, Faxinal e Tamarana), deve-se à atualização dos cooperados que, por exemplo, há 25 anos já utilizam o plantio direto. Devido a esse sistema de cultivo, acrescenta, o solo da região não é degradado, não sofre erosão. Isso, mais outras tecnologias, entre elas o uso de sementes selecionadas, permite alta produtividade, embora o custo também seja alto. O híbrido Em Mauá da Serra e região a Integrada trabalha com soja (seu produto principal) e milho (cada produto ocupa 3.000 hectares), no verão; trigo e aveia no inverno, informa Seisuke Ito, gerente regional da cooperativa, que tem ali 70 associados. Ito atribui a alta produtividde do município também às sementes híbridas. ‘‘Os híbridos mantêm as boas características do milho, como a produtividade e o bom empalhamento. O empalhamento bem fechado nas espigas é importante porque impede a penetração da água da chuva nos grãos e seu brotamento ainda no p钒. Ito acrescenta que as variedades guardadas pelos agricultores para semear a safra seguinte, cruzam-se com muita facilidade e com o passar dos anos perdem suas melhores características. Falando em nome do presidente Carlos Yoshio Murate, na abertura do quarto dia-de-campo, Haroldo Uemura disse que ‘‘a Integrada já tem uma presença forte no Paraná (1.972 associados, dos quais 72 em Mauá da Serra) e destacou o conjunto de tecnologias empregado por seus associados. Tanto que ali choveu apenas em setembro e dezembro, quando faltou água para a agricultura mas, mesmo sem irrigação, conseguiram bom desenvolvimento das lavouras. Fruticultura A região de Mauá é mais fria do que as demais regiões do Norte do Paraná e, portanto,mais favorável ao plantio de frutíferas de clima temperado. Sérgio Igashibara diz que o presidente Carlos Yoshio Murate deseja proporcionar aos pequenos agricultores (maioria dos associados) a possibilidade de diversificar suas atividades. Por isso tem interesse em promover a produção de frutas em grande escala. A idéia é formar um consórcio de produtores de frutas e a cooperativa atuar como ponte entre eles e o mercado. A produção será concentrada em uma só área, onde funcionarão assistência técnica, produção, limpeza e embalagem das frutas. Pensa-se em cultivar inicialmente ameixa, pêssego, nectarina e caqui. A cooperativa está procurando um terreno para instalar o consórcio, que espera tornar realidade em 2001. Dia-de-campo Este foi o primeiro ano em que a Integrada levou a um dia-de-campo de competição de híbridos de milho empresas fabricantes de defensivos. Os visitantes foram divididos em seis grupos, cada um com um monitor que explicou as qualidades de cada produto (sementes e defensivos), nas diversas estações instaladas pelas empresas. Nos dois dias (2 e 3/3/2000) participaram cerca de 600 associados e técnicos. Os híbridos de milho foram apresentados pelas empresas Agroceres, Agroeste, Aventis, Balu, Braskalb, Cargill, Colorado, Coodetec, Dinamilho, Graúna, Hatã, Novartis, Pioneer, Santa Helena e Zêneca. Das fabricantes de defensivos participaram Aventis, Bayer, Castrol, Dupont, Hokko, Milênia, Nortox, Adubos Serrana, Adubo Fertiza, Adubo Solorrico/Cargill e Castrol.