Cláudia Barberato
De Londrina
O desmame é um manejo indicado para poupar a vaca da energia que ela gasta na amamentação e conseguir melhores índices reprodutivos no rebanho, sem prejudicar o desenvolvimento dos bezerros.
O pesquisador da Embrapa Gado de Corte, de Campo Grande (MS), Ronaldo Encarnação, explica que o atraso do primeiro cio pós-parto é uma das principais causas do baixo desempenho reprodutivo da pecuária de corte e está relacionado com a deficiência nutricional e à intensidade de amamentação.
‘‘Para poupar a vaca do estresse da amamentação é que recomendamos o desmame. Se ele for feito dos 6 a 8 meses de idade do bezerro, melhor. Antes disso, só se faltar alimento em quantidade e qualidade para a vaca e o bezerro.’’
Sem muito estresseNo Brasil Central e também em algumas regiões do Paraná, segundo o pesquisador, os animais nascidos entre setembro e novembro devem ser desmamados de abril a maio.
De acordo com Ronaldo Encarnação, independentemente do sistema de produção, extensivo ou intensivo, o desmame pode ser feito de maneira a não causar tanto estresse nos bezerros e vacas. Mas, ele alerta que desmamar muito cedo, com 90 a 120 dias de idade, como alguns pecuaristas têm feito na ânsia de vender os animais rapidamente, pode ser prejudicial.
Para quem deseja produzir o novilho precoce, por exemplo, desmamar bezerros entre 6 e 8 meses de idade, com peso de 180 kg, é a primeira garantia de que aos dois anos o animal estará pronto para o abate e com peso médio de 450 quilos.
Nessa fase, segundo Ronaldo Encarnação, o animal é considerado um ruminante e pode utilizar forragem sólida como única fonte de energia e de nutrientes que necessita. ‘‘Além do mais, a participação do leite na dieta do bezerro é pequena após o terceiro mês de lactação.’’
Peso à desmamaNa pecuária tradicional, de sistema extensivo, pode-se desmamar os bezerros com peso entre 140 e 160kg, que é a média brasileira. Para a produção do precoce (animais abatidos por volta dos dois anos de idade) o recomendado é que o bezerro tenha peso mínimo de 180 kg no desmame.
Para o superprecoce (animais abatidos entre 15 e 18 meses de idade) o peso no desmama deverá ser de 220kg de média; para garantir que na idade de abate os animais tenham peso suficiente. ‘‘O peso de desmama e a idade de abate vão depender do sistema de produção’’.
Manejo na desmamaA separação entre mães e crias pode ser feita em pastos próximos, proporcionando maior tranquilidade para as vacas e bezerros desde os primeiros dias.
‘‘Deve-se pensar em construir cercas apropriadas que evitem mamadas. Para facilitar o manejo, pode-se manter as crias na mangueira de quatro a sete dias pós-desmama, fornecendo água, ração e capim fresco à vontade. Os bezerros devem ser colocados em pastagens de porte pequeno e de boa qualidade, como os capins tanzânia e tifton’’, ensina o pesquisador da Embrapa.
Para amenizar o estresse da separação, os bezerros deverão estar protegidos do frio, com quebra-ventos nas pastagens e do calor, com sombra. O manejo sanitário preventivo contra doenças e parasitoses é também uma condição importante para o bom desenvolvimento das crias.
Outra medida é o amadrinhamento dos bezerros, colocando-os junto de animais adultos, como vacas (que não sejam as mães), bois, novilhas, para que eles se sintam segurom.
O pesquisador Ronaldo Encarnação aconselha também que os animais desmamados não sejam imediatamente colocados em leilões para venda. O animal já sofre o estresse na propriedade pela separação da mãe, mudança de dieta, marcação e vacinações. Depois é colocado em cima de um caminhão, muitas vezes com privação de comida e água. Quando chega no local da venda, também fica assustado pelo barulho, pelo movimento, etc. Todo esse movimmento vai prejudicar o desenvolvimento do animal.
Alimento sólidoNo manejo de bezerros, o pesquisador lembra que a ração deve ser introduzida no segundo ou terceiro mês de vida, para complementar o leite materno na dieta dos animais.
A introdução da forragem pode ser feita de duas maneiras: No creep-feeding a ração balanceada é servida no cocho, dentro de um cercado onde só o bezerro tem acesso. A vantagem é que melhora a eficiência reprodutiva da vaca e garante aumento do peso do bezerro à desmama.
O creep-grazing, outra forma de alimentar com forragem, funciona dentro da invernada onde se constrói um piquete de 1 a 2 hectares, adubado, com pasto de elevado valor nutritivo, pequeno porte e alta densidade, como o milho, a aveia e outros. A mãe permanece com a cria ao pé e só o bezerro tem acesso a esse piquete. As vantagens são as mesmas do creep-feeding.
O manejo do creep-feeding é mais fácil e mais barato porque nem toda fazenda tem áreas novas e nobres de forrageira e seria preciso investir na recuperação ou implantação de nova área.
Custo zeroOutro manejo de desmama, segundo o pesquisador da Embrapa, é o desmame temporário. ‘‘É uma técnica de fácil adoção e de custo zero; consiste em separar o bezerro da vaca, por um período de 48 a 72 horas, a partir de 40 dias após o parto’’.
‘‘Durante esse período, as crias podem permanecer na mangueira, com água e forragem (feno, capim fresco ou ração) à vontade, enquanto as mães pastam e descansam na mangueiras do lado de fora. Essa proximidade parece acalmar os animais’’, ensina o pesquisador.
A interrupção temporária da amamentação, acrescenta, estimula o aparecimento do cio, melhorando a taxa de concepção em até 30%, sem prejudicar as crias. Entretanto, a eficácia dependerá da condição corporal da fêmea. Essa prática tem seu maior efeito quando a condição corporal é regular, com fêmeas em regime de ganho de peso.
Vacas em péssimo estado corporal não respondem satisfatoriamente à desmama temporária. Nesse caso, a desmama precoce é mais recomendada. O mesmo ocorre com vacas em bom estado nutricional, pois estas já manifestam cio regularmente.