Cursos
O número de cursos que o Senar-PR oferece em parceria com o Centro de Treinamento para Pecuaristas (CTP), em Castro, vai ser ampliado de três para oito a partir de 2015. Os novos cursos são: Trabalhador na Manutenção de Ordenhadeira Mecânica; Trabalhador na Forragicultura; Cerqueiros; Avaliação de Conformação de Bovinos de Leite e Avaliação e Preparo de Animais para Exposição. Os cursos oferecidos no CTP apresentam uma adequação técnica às características típicas da região dos Campos Gerais, direcionada principalmente às pequenas e médias propriedades leiteiras.

Imagem ilustrativa da imagem DIRETO DO CAMPO
| Foto: César Augusto/23-05-2013
Agroleite
Este ano, a Agroleite, que inicia na próxima semana em Castro, terá como tema a "vitrine da tecnologia do leite no Brasil". A expectativa é reunir cerca de 600 animais e atrair 80 mil pessoas. Em negócios, a feira deve movimentar cerca de R$ 52 milhões. Ao todo, serão 170 expositores entre empresas de genética, nutrição, laboratórios, ferramentas, agentes financeiros, máquinas e implementos agrícolas. A abertura oficial será realizada na manhã da próxima segunda-feira.



Safrinha
As áreas agrícolas que adotaram nessa safra o sistema de produção que tem a soja seguida do milho safrinha RR terão um novo desafio, que é o de controlar a presença de milho voluntário RR. O problema ocorre pela impossibilidade de se controlar as plantas de milho com o herbicida glifosato, porque tanto a soja quanto o milho RR são resistentes a este herbicida. "Aqueles grãos de milho RR que sobrarem da colheita poderão germinar e se comportar como uma planta daninha para a cultura da soja", alerta o pesquisador da Embrapa Soja Fernando Adegas.

Milho voluntário
O poder de competição do milho voluntário é bastante elevado e pode causar redução de produtividade na soja, conforme avalia o pesquisador da Embrapa Soja Fernando Adegas. "Se houver duas ou três plantas por metro quadrado, o milho pode reduzir em até 50% a produtividade da soja", confirma o pesquisador. Para quando ocorrer o problema, a indicação de Adegas é a de que os produtores controlem o milho com um herbicida que tenha um mecanismo de ação diferente do glifosato. "O ideal é fazer o controle antes da semeadura ou logo após a emergência da soja, quando as plantas do milho estão pequenas", explica.