|
  • Bitcoin 118.700
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3355
Londrina

Folha Rural

m de leitura Atualizado em 25/06/2022, 11:11

Cultivos de café salvam floresta tropical em Moçambique

Cerca de 300 mil pés de café e 400 mil cajueiros foram plantados criando 300 empregos e beneficiando a 200 mil habitantes de Gorongosa

PUBLICAÇÃO
sábado, 25 de junho de 2022

Camille Laffont/France-Presse
AUTOR autor do artigo

Foto: Alfredo Zuniga/AFP
menu flutuante
Mulheres caminham nas plantações de café em Moçambique: 300 empregos foram gerados Mulheres caminham nas plantações de café em Moçambique: 300 empregos foram gerados
Mulheres caminham nas plantações de café em Moçambique: 300 empregos foram gerados |  Foto: Alfredo Zuniga/AFP
 

Gorongosa, Moçambique -  Os danos são visíveis de longe. As encostas do monte Gorongosa, no centro de Moçambique, no parque nacional de mesmo nome, estavam cobertas pela floresta tropical, a única do país. Agora a bela capa verde está cheia de buracos.

Quilômetros de desmatamento deixaram a terra árida, onde só cresciam ervas e pequenos arbustos. Há alguns anos, no entanto, a floresta começou a renascer graças a um cultivo praticamente desconhecido na região: o café.

Vista aérea mostra plantações de café na serra da Gorongosa, em 20 de maio de 2022. A floresta devastada voltou a crescer, graças à cultura cafeeira, anteriormente estrangeira Vista aérea mostra plantações de café na serra da Gorongosa, em 20 de maio de 2022. A floresta devastada voltou a crescer, graças à cultura cafeeira, anteriormente estrangeira
Vista aérea mostra plantações de café na serra da Gorongosa, em 20 de maio de 2022. A floresta devastada voltou a crescer, graças à cultura cafeeira, anteriormente estrangeira |  Foto: Alfredo Zuniga/AFP
 

Enquanto percorre as plantações, Juliasse Samuel Sabao avalia os avanços. De um lado, uma paisagem quase deserta. Do outro, uma floresta densa e hectares de plantas de café cuidadosamente alinhadas.

LEIA TAMBÉM:  Em 7 anos, programa libera R$ 19 mi para agricultores familiares

"O café precisa de sombra para crescer. Para cada planta de café outra árvore é plantada", disse esse funcionário do parque.

Um dos grandes desafios dos produtores locais do setor é a modernização, já que falta mecanização e tecnologia Um dos grandes desafios dos produtores locais do setor é a modernização, já que falta mecanização e tecnologia
Um dos grandes desafios dos produtores locais do setor é a modernização, já que falta mecanização e tecnologia |  Foto: Alfredo Zuniga/AFP
 

Ao fugir da guerra civil (1975-1992) que deixou um milhão de mortos após a independência de Portugal, Juliasse descobriu o cultivo do café no vizinho Zimbábue. 

Há dez anos ele cuida das plantações de Gorongosa. Vinte anos após a guerra civil, Moçambique viveu um novo conflito, entre os rebeldes e o governo, que durou até 2019. 

LEIA TAMBÉM: Projetos de transferência de renda serão ampliados no Paraná

O local virou um reduto rebelde e durante todos esses anos, a mata serviu como reserva de recursos naturais. Os combatentes desmataram a floresta para cultivar a terra e garantir sua subsistência, e alguns ainda vivem nas montanhas. 

"Nomadismo agrícola" 

Na véspera dos últimos combates, o diretor do parque, Pedro Muagara, agrônomo de formação, plantou os primeiros pés de café. As plantas cresceram em meio a indiferença dos ocupantes da região, em sua maioria milicianos e suas famílias. 

"Essas pessoas dependem da agricultura de subsistência porque não têm recursos para adquirir máquinas como tratores e isso gera um nomadismo agrícola", disse Muagara. 

"Eles limpam várias áreas e o desmatamento priva o solo de nutrientes. A terra enfraquece e agora vão abrir ainda mais áreas de terra", alerta. Mas "quando derrubam uma árvore, perdem também a própria subsistência".

Imagem ilustrativa da imagem Cultivos de café salvam floresta tropical em Moçambique Imagem ilustrativa da imagem Cultivos de café salvam floresta tropical em Moçambique
|  Foto: Alfredo Zuniga/AFP
 

Para incluir os habitantes da montanha, o projeto mistura o cultivo de café, que demanda vários anos antes de dar os primeiros grãos, com cultivos alimentícios indispensáveis. 

Cerca de 300 mil pés de café e 400 mil cajueiros foram plantados criando assim 300 empregos e beneficiando a 200 mil habitantes da região, segundo o Banco Mundial. 

O café do Gorongosa, cujas vendas são revertidas integralmente ao projeto apoiado pelo milionário e filantropo americano Greg Carr, é atualmente exportado para todos os pontos do mundo.

Cerca de 70% dos moçambicanos trabalham no setor agrícola, segundo a a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento (USAID), mas apenas 16% das terras aráveis são cultivadas.

Com a guerra na Ucrânia, "a inflação sobre os preços dos produtos básicos afeta também Moçambique. Devemos aliviar a pressão sobre as famílias e nossa única solução é aumentar a produção", explica à AFP o ministro da Agricultura, Celso Correia. 

Um dos grandes desafios do setor local, que sofre de falta de mecanização e tecnologia, é sua modernização. "A agricultura é um setor essencial. Não podemos depender de projetos internacionais, devemos ser autossuficientes", conclui Correia.

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1