|
  • Bitcoin 202.739
  • Dólar 5,4587
  • Euro 6,1923
Londrina

Folha Rural 5m de leitura Atualizado em 08/01/2022, 07:56

Boas práticas de manejo são pré-requisito para frear erosão

O uso e manejo adequados do solo merecem atenção especial, principalmente neste momento em que o mundo se volta para o mercado global de carbono

PUBLICAÇÃO
sábado, 08 de janeiro de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A manutenção da biodiversidade na agricultura, com manejos e práticas de conservação do solo, é determinante para frear o processo de desgaste e perda deste precioso recurso. O alerta de pesquisadores que integram o Núcleo Paranaense da Sociedade Brasileira da Ciência do Solo (NEPAR-SBCS) ganha força no Dia Mundial do Solo, que foi celebrado em 5 de dezembro.

O uso e manejo adequados do solo merecem atenção especial, principalmente neste momento em que o mundo se volta para o mercado global de carbono, assunto amplamente debatido na COP 26, em Glasgow, na Escócia, no início de novembro.

A agricultura paranaense, praticada de modo intensivo, é pioneira no uso dos terraços para o controle da erosão, no desenvolvimento e na difusão do Sistema Plantio Direto como forma de preservação do solo, redução da erosão e da emissão de gases para atmosfera.

Imagem ilustrativa da imagem Boas práticas de manejo são pré-requisito para frear erosão
|  Foto: iStock
 

Entretanto, mesmo diante desse histórico muitos produtores deixaram as práticas conservacionistas de lado e o solo paranaense volta a enfrentar desafios decorrentes de problemas de erosão e de degradação das características físico-químicas e biológicas.

"Continuar produtiva sem aumentar os processos de degradação do solo é um desafio enorme da agricultura contemporânea, que precisa ser trabalhado com cuidado e eficiência", afirma o pesquisador da área de solos do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (antigo Iapar), Arnaldo Colozzi.

Segundo ele, isso ficou claro na pauta da COP 26, que indicou as Soluções Baseadas na Natureza (SbN) como as mais eficazes para se fazer a descarbonização e reduzir as emissões de gases de efeito estufa em escala global. As informações são da assessoria de imprensa do Fonte: IDR-Paraná

De acordo com Colozzi, as boas práticas agrícolas podem proporcionar um aumento significativo no estoque de carbono no solo, trazendo além da vantagem socioambiental, renda extra ao produtor rural, por meio dos créditos de carbono.

Do ponto de vista tecnológico, destaca Colozzi, a pesquisa avançou nas últimas décadas na proposição de sistemas de produção mais tecnificados, os quais promovem a biodiversidade, conservam matéria orgânica e utilizam os solos de forma mais sustentável. Porém, existe uma defasagem enorme na transferência dessas tecnologias, na aceitação e na prática pelo produtor, principalmente motivada por força da pressão econômica.

"O agricultor, historicamente, faz a opção pelo uso de tecnologias que dão maior retorno econômico, que nem sempre são conservacionistas. Talvez com a efetivação do mercado de carbono ele possa fazer a escolha por tecnologias conservacionistas, privilegiando não só a produção mas também a conservação ambiental e, desta forma, passe a ter algum retorno econômico com o mercado de carbono", acredita Colozzi.

A agricultura paranaense, praticada de modo intensivo, é pioneira no uso dos terraços para o controle da erosão
A agricultura paranaense, praticada de modo intensivo, é pioneira no uso dos terraços para o controle da erosão |  Foto: iStock
 

PREJUÍZOS

Diversas pesquisas têm quantificado as perdas de nutrientes que acontecem quando ocorre o processo erosivo. Estudo que contou com a participação do pesquisador Tiago Telles, também do IDR-PR, mostra que o prejuízo médio causado pela perda de nutrientes nas lavouras anuais do Paraná chegaria a R$ 242 milhões. No Brasil, a estimativa do custo da perda dos nutrientes somaria R$ 2,11 bilhões.

"Para estimar os custos, os teores de fósforo, potássio, cálcio e magnésio na água da enxurrada e na terra carreada pela erosão foram somados, convertidos em superfosfato triplo, cloreto de potássio e calcário dolomítico, e multiplicados pelos seus preços de mercado", explica Telles.

O pesquisador destaca que foi verificado apenas os custos que o produtor teria com as perdas dos macronutrientes. "Se trata de um valor bem subestimado, pois não consideramos os custos com hora/máquina, mão de obra e outros aspectos. Também não estimamos essas perdas nem em pastagens nem em lavouras permanentes", acrescenta o pesquisador.

BIODIVERSIDADE

Promover a biodiversidade do solo e o manejo conservacionista são pré-requisitos para a mudança do atual cenário de degradação. "Os organismos do solo realizam a maioria dos processos biogeoquímicos que suportam o crescimento das plantas e possibilitam cultivos produtivos, garantindo assim maior sustentabilidade na exploração agrícola", explica Arnaldo Colozzi.

Ele aponta diversos benefícios, pois o equilíbrio biológico potencializa a ação dos organismos benéficos, mantém inimigos naturais, o que reduz a ocorrência de pragas e doenças. "Com isso, o produtor reduz gastos com insumos agrícolas, além de propiciar produtos de melhor qualidade com menor custo de produção", afirma o pesquisador, lembrando que com cultivos mais eficientes e produtivos, não há a necessidade de ampliação de áreas para exploração agrícola com desmatamentos e desflorestamentos.

O custo da negligência  será cobrado no futuro

Não usar ou negligenciar o uso das práticas conservacionistas de solo têm seu preço: perda de sementes, insumos e nutrientes, entre outros. O prejuízo vem mais tarde: no custo final de produção e na perda da qualidade da terra, levada pela erosão.

O diretor do NEPAR-SBCS, Adriel Ferreira da Fonseca, destaca que o produtor precisa fazer pelo menos o que é considerado básico entre as práticas conservacionistas.

"O básico bem feito é a melhor alternativa. Entre esses cuidados é importante a calagem para diminuir a acidez do solo, manter a cobertura de solo e a rotação de culturas para aumentar o uso eficiente de nutrientes", afirma Fonseca.

O manejo adequado das plantas, adoção do Sistema Plantio Direto (SPD) e a manutenção dos terraços também estão na agenda de recomendações.

"O que, muitas vezes, acaba acontecendo é que o produtor tira os terraços por acreditar que terá maior operacionalidade das máquinas e, por isso, também não fazem a rotação de culturas. Não investem em plantas de cobertura e, depois, querem consertar com a utilização de adubos de forma inadequada e em doses excessivas", exemplifica o diretor.

Ele aponta que muitos não seguem a orientação para a adoção da calagem. "É preciso ser feita de acordo com a análise de solo. É uma das principais práticas que constrói um perfil de solo de melhor qualidade", afirma.

A pesquisadora do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR) Graziela Moraes de Cesare Barbosa, que integra a Rede de Agropesquisa afirma que, em estudos preliminares, já foi possível identificar a redução do escoamento superficial em 70% quando se utilizam os terraços.

Ela alerta para os riscos que o período de chuvas traz para o solo e o desempenho da produção.

"Temos visto em visitas às lavouras, que muitos produtores têm retomado a adoção dos terraços. Porém, ainda não fazem a rotação de culturas e usam o escarificador e a grade niveladora. Isso acaba pulverizando o solo, deixando-o muito suscetível aos processos erosivos. Os estudos na Rede Agropesquisa têm mostrado a eficiência dos terraços", afirma Graziela.

A pesquisadora acrescenta que ainda não é possível mensurar os resultados do trabalho de fiscalização da Adapar, que resultou no aumento da adoção dos terraços já que, nos últimos dois anos, houve uma crise hídrica severa no Paraná.

"Porém, com as fortes chuvas que ocorreram em outubro deste ano, na região Noroeste, muitos produtores que não fizeram uso dos terraços perderam todo ou parte do plantio de verão. A recomendação é que façam um bom Plantio Direto, mantenham uma boa cobertura de solo e não usem escarificador e grade de forma alguma e adotem os terraços. Mesmo que o solo tenha uma boa infiltração de água, parte vai escoar e os terraços servem para evitar o escoamento superficial, que provoca perda do solo, adubo, sementes e nutrientes", conclui Graziela.

SOBRE O NEPAR - O Núcleo Estadual Paraná da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (NEPAR-SBCS), criado em  2003, tem como missão congregar os profissionais atuantes em Ciência do Solo no Estado do Paraná, bem como as instituições nas quais trabalham, visando o desenvolvimento da Ciência  do  Solo  com  o  aprimoramento  das  atividades  de  pesquisa,  ensino,  extensão  rural  e assistência técnica, resultando no adequado uso, manejo e conservação do solo e da água nos meios rural e urbano.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM