|
  • Bitcoin 237.864
  • Dólar 5,5670
  • Euro 6,3039
Londrina

Folha Rural 5m de leitura Atualizado em 05/11/2021, 18:58

Agrovila da reforma agrária recebe certificação de produção 100% agroecológica em Castro

Território está localizado em área de preservação ambiental e desde 2018 produz alimentos saudáveis

PUBLICAÇÃO
domingo, 07 de novembro de 2021

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A comunidade Padre Roque Zimmermann, de Castro, Campos Gerais, recebeu a certificação de produção agroecológica. A conquista reflete o esforço coletivo das 40 famílias, que desde a ocupação da área, em 2018, optaram e se organizaram pela produção orgânica e agroecológica. A certificação veio por meio da Rede Ecovida, uma organização que realiza a certificação de forma participativa, com metodologia de verificação da conformidade. 

Imagem ilustrativa da imagem Agrovila da reforma agrária recebe certificação de produção 100% agroecológica em Castro
|  Foto: Foto_Valmir Fernandes MST-PR (3)
 

Por estar localizada às margens do rio Iapó, a comunidade de Padre Roque  tem como característica ter grande parte  das terras inseridas em área de conservação ambiental. De acordo com um estudo socioambiental e econômico realizado por um grupo de extensão da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e Universidade Federal do Paraná (UFPR), em 80% do território não pode haver construções. Além disso, o espaço suporta até 40 famílias, que tomaram a decisão coletiva de produzirem de maneira cooperada e agroecológica. 

Com o auxílio da UEPG e da UFPR, foram realizados cursos e oficinas dentro da comunidade. Com debate, chegou-se em um modelo de vida e produção agrícola, que tem o objetivo de ter um desenvolvimento sustentável, através de uma agrovila.

De acordo com Joabe Oliveira, morador da comunidade e integrante da direção estadual do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra do Paraná), “desde a ocupação foi decidido que não seriam usados agrotóxicos e aos poucos criando as condições de descontaminar a área e conquistar o certificado orgânico”.

Lourival Brandt, coordenador geral do acampamento, conta que “com a certificação, a comunidade pode comercializar os produtos em feiras de orgânicos, participar de licitações da alimentação escolar, além de agregar valor no alimento e comprovar que é saudável e sem veneno”. 

Imagem ilustrativa da imagem Agrovila da reforma agrária recebe certificação de produção 100% agroecológica em Castro
|  Foto: Foto_Valmir Fernandes MST-PR (3)
 

Hoje a comunidade produz e comercializa feijão, milho, arroz, mandioca, abóbora, verdura, legumes e frutíferas em geral. Além da criação de animais como galinha, pato, porco, codorna e gado.

Três anos de construção da Reforma Agrária 

Prestes a comemorar três anos de existência, a comunidade Padre Roque teve um acúmulo de conquistas recentes, como é o caso da certificação de produção agroecológica, luz elétrica e o Cadastro de Produtor Rural (CAD-PRO), conhecido como a “carteira de identidade” do produtor rural, que melhora a questão da comercialização dos produtos dos camponeses.

Ocupada no dia 6 de dezembro de 2018, a área originalmente pertencia ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), mas estava sendo explorada de forma ilegal por um fazendeiro da região. Para Joabe Oliveira, “a comunidade Padre Roque já é consolidada, com famílias, crianças, jovens e idosos, com água, luz, muita produção orgânica, esporte e lazer”.

Imagem ilustrativa da imagem Agrovila da reforma agrária recebe certificação de produção 100% agroecológica em Castro
|  Foto: Foto_Valmir Fernandes MST-PR (3)
 

De acordo com a direção do MST, havia no local cultivo de soja transgênica, muito próximo das margens do Rio Iapó, o que é proibido por lei.

Desde o início da pandemia da Covid-19, a comunidade tem participado das doações das ações de solidariedade do MST, com a doação de alimentos. 

Imagem ilustrativa da imagem Agrovila da reforma agrária recebe certificação de produção 100% agroecológica em Castro
|  Foto: Foto_Valmir Fernandes MST-PR (3)
 

As doações tiveram destino a famílias da região urbana que passam por dificuldades devido a crise econômica. Ao todo, assentamentos e acampamentos da Reforma Agrária do Paraná partilharam mais de 790 toneladas de alimentos, desde abril de 2020.

LEIA TAMBÉM:

Acerola conquista Japurá, gera emprego, renda no campo e desenvolvimento

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM