|
  • Bitcoin 102.802
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Folha Mais

m de leitura Atualizado em 06/02/2022, 17:17

Entenda o que é o FIES, financiamento estudantil que gerou debate no 'BBB22'

O ator e cantor Tiago Abravanel chamou atenção de quem acompanhava o reality enquanto ele conversava com Jessilane

PUBLICAÇÃO
domingo, 06 de fevereiro de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/ Folhapres
menu flutuante

O ator e cantor Tiago Abravanel chamou atenção de quem acompanhava o "BBB22" enquanto ele conversava com Jessilane. O neto de Silvio Santos revelou desconhecer o objetivo e o que é Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior).

"Já ouvi falar, mas conta o que é", disse o artista. A resposta é que se trata de um programa do governo federal que oferece o financiamento de cursos de graduação em instituições particulares de ensino superior.

O financiamento oferece juros zero para estudantes com renda familiar per capita de até três salários mínimos. Há ainda uma outra modalidade de financiamento, chamada de P-Fies, que oferece empréstimos com juros que variam de acordo com o banco e que não tem ligação com os processos seletivos do Fies.

O Fies pode financiar de 50% até 100% do valor da mensalidade de um curso de graduação, dependendo da renda mensal da família do estudante.

Durante o curso, o aluno deve pagar mensalmente ao banco um valor de coparticipação, que corresponde à parcela da mensalidade que não foi financiada. Depois de formado, o estudante deve começar a quitar o empréstimo.

Prouni ajudou Thelma

O financiamento estudantil já foi tema de debate envolvendo BBB em outros momentos. No ano passado, a vencedora da edição de 2020 do reality virou notícia ao agradecer ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pela criação do Prouni (Programa Universidade para Todos), do qual foi beneficiária.

Thelma foi estudante da PUC; ela conseguiu a vaga na faculdade devido ao Prouni. A médica levou a carta que recebeu quando teve sua bolsa aprovada para a live com o ex-presidente e aproveitou para agradecê-lo.

"Eu recebi uma carta e nela dizia que eu tinha sido contemplada em 100% para cursar medicina, a PUC. Naquela época, a mensalidade custava R$ 3,5 mil e eu não tinha condição de passar pela porta. Eu entendo que é uma obrigação do estado, não é um favor, mas não tem como não ser grata. Se hoje estou aqui, olhando nos seus olhos, de alguma forma eu recebi uma oportunidade lá atrás", disse.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.