Fazer atividade física é bom e recomendável em qualquer idade. A receita básica para uma existência com saúde contempla o exercício físico e outros ingredientes conhecidos e muito divulgados, como alimentação saudável, bons hábitos e medicina preventiva.
A Organização Mundial da Saúde classifica cronologicamente como idoso as pessoas com mais de 65 anos em países desenvolvidos e com mais de 60 anos em países em desenvolvimento. A partir desta idade, muitas são as mudanças físicas e emocionais, que deixam mais frágil a qualidade de vida dos idosos.
A atividade física pode ser uma grande aliada no tratamento de várias doenças que surgem na terceira idade. ''Os exercícios físicos são muito importantes, pois melhoram a agilidade do paciente. Trazem benefícios para vários grupos, como os diabéticos, os hipertensos, os obesos. Cento e cinquenta minutos de exercícios aeróbicos por semana, por exemplo, têm um impacto positivo muito importante na vida de um idoso'', diz o cardiologista Marco Antonio Fabiani.
Segundo especialistas, nunca é tarde para começar. Mesmo nunca tendo praticado atividade física na vida, o idoso pode adotar este hábito e colher bons frutos com isso. Antes de seguir para uma academia, porém, Fabiani explica que o idoso precisa passar por uma avaliação médica, na qual serão identificados os exercícios recomendáveis e sua intensidade.
''Não há limite de idade. Pessoas com 70, 80, 90 anos podem começar a praticar exercícios. Só que uma atividade que é boa para uma pessoa pode não ser para outra. Cada grupo tem sua limitação. Por isso é extremamente importante a orientação de um médico, que vai analisar a saúde e as condições do paciente para prescrever o que ele pode e não pode fazer'', alerta o cardiologista.
Depois da avaliação médica, é indicado que o idoso opte pela atividade que mais goste - aquela que lhe dê prazer, para que não desista de se mexer. Inúmeras são as opções: natação, bicicleta, alongamento, musculação, ioga, entre outras.
''Se a pessoa puder pagar um personal trainer, melhor ainda, mas isso não é obrigatório, pois uma caminhada, por exemplo, não necessita de acompanhamento e também faz bem à saúde. Estamos convivendo muito com a longevidade. Hoje uma pessoa com 70 anos, que sempre cuidou da saúde, tem uma expectativa de vida muito grande. Os idosos estão absorvendo as tantas informações, deixando um pouco a rebeldia de lado e se cuidando mais'', afirma Fabiani.


Imagem ilustrativa da imagem Vida ativa em qualquer idade
Marco Fabiani, cardiologista: ''Pessoas com 70, 80, 90 anos podem começar a praticar exercícios, mas sempre com orientação médica''