Verdade seja dita: além de ser um forte apelo sexual, uma pele bronzeada cria um ar saudável e ajuda a disfarçar algumas imperfeições, como flacidez e a terrível celulite.
Mas isso não significa que para pegar uma cor bonita é preciso se espichar na areia e torrar sob o sol. Muito menos acreditar que receitas mirabolantes, como passar óleo de cozinha (pasmem!) vai ajudar a chegar a tão desejada 'cor do pecado'. Curtir o verão com a pele dourada e bem tratada é possível e muito fácil.
Todo mundo já sabe - e não é de hoje - que protetor solar e sol nos horários certos são as indicações mais corretas para se evitar problemas futuros, como o envelhecimento precoce e o câncer de pele. Mas entra verão e sai verão, a história se repete: enquanto uns levantam a bandeira da moderação e cuidados com a pele, boa parte das pessoas ignora as orientações.
Essa postura resulta em números alarmantes de incidência de câncer de pele no Brasil. Diante disso, a Sociedade Brasileira de Dermatologia criou, em 1999, o Programa Nacional de Controle do Câncer de Pele, que leva aos brasileiros informação, diagnóstico e tratamento de qualidade, tudo sem custo nenhum.
Em se tratando de pele, há certas coisas que ninguém sabe explicar com muita propriedade, como por exemplo: é preciso usar protetor solar quando se está em contato com a luz de uma lâmpada, por exemplo? ''Isso é uma coisa que ninguém sabe ao certo. Alguns dizem que isso só é prejudicial quando estamos a menos de trinta centímetros desse tipo de iluminação. Mas hoje a maioria das lâmpadas têm uma proteção no vidro'', explica a dermatologista Rosa Calland.
O sol não é um inimigo, desde que em doses certas. Sabe-se que os efeitos nocivos do astro rei também estão ligados ao tipo de pele da pessoa. As mais branquinhas, sugere Rosa Calland, não devem se expor aos raios ultravioletas.
Isso se explica devido aos melanócitos, que são células produtoras de pigmento, a melanina. São eles que determinam a cor da pele das pessoas e protegem dos efeitos nocivos da radiação solar. Com os raios solares, os melanócitos são ativados, ou seja, produzem mais melanina. Quanto mais melanina, mais proteção ao sol, por isso pessoas de pele mais escura têm menos riscos de desenvolver câncer de pele.
No entanto, menos risco não significa risco nenhum. A ordem é se proteger, sempre! Pele escura, amarela ou mais branquinha, a quantidade de melanócitos é igual. A quantidade e qualidade (tipo) de melanina são o que determinam a cor mais clara ou mais escura da pele.
Tomar sol é essencial para a produção e absorção da vitamina D pelo organismo. Essa vitamina está envolvida na formação do cálcio, responsável pela estrutura dos ossos. Se expor ao sol é uma questão de saúde, mas especialistas alertam para que isso seja feito não mais que meia hora por dia, sempre com proteção, para que a pele não sofra drásticas consequências.
Os grandes vilões nessa história atendem pelo nome de UVB e UVA, que são raios ultravioletas que atingem a Terra e a pele, cada qual de uma maneira diferente. A radiação UVB penetra nas camadas mais superficiais da pele, o que leva à vermelhidão e queimaduras solares. Os raios UVA atingem as camadas mais profundas da pele e são os responsáveis pelo desenvolvimento do câncer de pele, envelhecimento precoce, catarata e escurecimento da pele.
Desses dois tipos de raios, 95% são do tipo UVA. Isso justifica os tantos danos irreversíveis à pele. ''Não adianta abusar do sol durante a juventude e decidir se cuidar mais tarde. Os danos causados pela exposição solar excessiva na infância e adolescência podem se manifestar somente após vários anos'', esclarece Rosa Calland, que completa: ''Não é possível tomar sol e não correr riscos, mas a pessoa pode ter menos riscos usando protetor, tomando sol devagar. O conselho é não exagerar''.
Com toda a modernidade desse mundo em que vivemos, existem hoje no mercado um sem fim de produtos que tornam a vida mais fácil, protegendo a pele. Uns cumprem o prometido; outros, nem tanto. Por isso, a dica é pesquisar bem antes de adquirir um produto. Lembrando que a escolha depende do tipo de pele de cada um.

Imagem ilustrativa da imagem Tempo de sol, mas com precauções
| Foto: Shutterstock
Se ficar com a pele moreninha é um desejo irresistível, vale a pena tomar alguns cuidados