Diferentemente dos homens - que se preocupam apenas com o trivial -, as mulheres precisam estar atentas a muitos detalhes para manter a aparência em dia. Sobrancelha, manicure, pedicure, depilação, limpeza de pele, corte, tintura, hidratação, entre outros procedimentos a favor da beleza.
Muitas frequentam o salão semanalmente ou agendam um horário sempre que possível. Outras, porém, fazem praticamente tudo em casa e esbanjam grande habilidade. A maioria pode até considerar um esforço desnecessário - já que pode pagar pelos serviços -, mas para parte das mulheres isso é sinônimo de aprendizagem, descontração e convivência familiar. Praticamente uma ''herança'' passada entre as gerações.
É o caso da família Costa, em que as mulheres frequentemente transformam suas casas em um salão de beleza. ''Cresci vendo minha mãe, tias e primas fazendo tudo em casa. Pintam o cabelo, fazem a mão, o pé e tiram sobrancelha. Fui aprendendo com elas e hoje consigo fazer muita coisa sozinha'', conta a estudante Carina Costa Perez.
A mãe dela, a funcionária pública Ana Silvia Costa Perez, sente prazer em realizar esses ''serviços'' em casa. ''Não é por questão fincanceira, mas porque gostamos mesmo. Fui incentivada pela minha irmã mais velha, que sempre fez tudo muito bem. Ela fazia o meu pé e minha mão. Aprendi e ensinei para a minha filha. Minhas sobrinhas também fazem. É uma delícia passarmos um tempo juntas nos cuidando'', diz ela, que também tinge o cabelo da mãe sempre que necessário.
Até mesmo em eventos maiores, como formatura e casamento, elas fazem questão de se arrumar em casa, contando uma com a ajuda da outra. ''Na festa de 15 anos da Carina, por exemplo, eu que fiz a mão dela e o pé. Só foi ao salão para fazer cabelo e maquiagem. Ela fala que eu vou ser a manicure para o seu casamento'', revela a mãe.
Uma vantagem de fazer tais ''serviços'' em casa, segundo Ana Silvia, é a praticidade. ''Não precisamos sair de casa e não temos que aguardar um horário disponível na agenda de uma profissional'', defende.
A primogênita, a professora Ana Cecília Costa Gonzalez, já perdeu a conta de quantas vezes foi a manicure de suas filhas, mãe, irmãs e sobrinhas. ''Desde menina gostava de fazer as coisas em casa, comecei fazendo em mim e depois nos outros'', diz.
E ela não esconde a satisfação de ver o seu trabalho pronto. ''Toda semana faço a minha mão e me sinto muito bem'', comenta Ana Cecília, que assim como a maioria das mulheres da família sempre esbanja unhas muito bem feitas.
Todas contam com caixas ou nécessaires cheias de esmaltes, acetona, lixas, alicates, removedores de cutícula, cremes variados, pinças, entre outros itens. E sempre que possível, fazem questão de aprimorar seus ''kits''. ''É um investimento que vale a pena'', garantem.

Imagem ilustrativa da imagem Salão de beleza em casa
Ana Cecília, Carina e Ana Silvia: cuidado com a estética sem sair de casa ultrapassa gerações



- Três décadas com horário fixo

- Faça você mesmo