Paz, amor, saúde, dinheiro, sucesso. Quem não tem uma lista de desejos para o ano que se inicia? É tempo de revovar as esperanças, investir em novos sonhos e acreditar que é possível conquistá-los nos 365 dias seguintes. Para tentar alcançar os objetivos traçados, muitas pessoas recorrem a simpatias na festa de virada de ano.
À meia-noite do dia 1º de janeiro, com certeza, inúmeros brasileiros estarão
pulando sete ondas, comendo alimentos que trazem prosperidade, usando roupas de cores específicas, entre muitas outras superstições. Não tem como negar: as simpatias fazem parte da cultura do País e são bastante populares.
A estudante Priscila Nunes Sanches cresceu vendo a família realizar simpatias no reveillón. ''Acredito que é uma forma de expressar os nossos planos e expectativas para o próximo ano. Quando mentalizamos os nosso desejos, corremos atrás para alcançá-los. Acima de tudo, depende muito da força de vontade de cada um'', afirma.
Todos os anos, Priscila faz questão de passar a festa da virada na praia para pular as sete ondas. ''Elas levam as mazelas passadas e trazem coisas novas e boas'', explica. Outro hábito da estudante é escolher as cores das roupas. Na passagem de 2010 para 2011, ela recorda, vestiu rosa para atrair um novo amor. E deu certo. ''Comecei a namorar. Na virada do ano seguinte, usei vermelho para manter o relacionamento e estamos juntos até hoje'', comemora.
Este ano, a cor escolhida foi o amarelo para alcançar prosperidade e dinheiro em 2013. ''Vou começar uma nova faculdade e tenhos outros planos em mente. Quero poupar dinheiro para concretizá-los'', afirma, reforçando que o mais importante mesmo é lutar para alcançar os sonhos.
A professora aposentada Mara Isabel Armentano Mrack defende que ''palavras e ações são forças criadoras'' e que ''as superstições trazem boas energias e pensamentos positivos''.
Há muitos anos, ela tem o hábito de realizar simpatias no ano-novo. E são várias. ''Costumo comer sete folhas verdes para que a natureza não nos deixe faltar nada e lentilha para trazer prosperidade. Não como nenhum tipo de ave, pois elas ciscam para trás'', diz.
A primeira pessoa que Mara cumprimenta e deseja ''feliz ano-novo'' é sempre do sexo oposto. ''Isso traz energia positiva'', justifica, acrescentando que para atrair dinheiro costuma ir a um local alto com a nota de maior valor que tem na carteira.
A professora aposentada também acredita no poder das cores. ''Corto 'fitinhas' com as cores do arco-íris e incluo o preto e o marrom. Junto todas e entrego aos meus convidados. Cada cor tem um significado'', explica.
As roupas usadas são cuidadosamente escolhidas. ''Gosto de usar o branco associado a outras cores. Para o meu marido, separo roupas que tenham amarelo, branco e rosa'', comenta.
Mara ressalta que aprendeu muitas simpatias com a sua mãe e que com o passar dos anos foi conhecendo outras. ''Acho que temos que tentar. Se não fizer bem, mal não faz'', defende.
Interesse pelo místico
Wanda Mara de Oliveira, gerente da Zonna do Aroma, em Londrina, afirma que nesta época do ano a procura por objetos místicos aumenta consideravelmente. ''As pessoas buscam velas, incensos, sais de banho, mandalas, chaveiro de pimenta, baguás e prismas. São símbolos de proteção. A procura por velas chega a aumentar 80%'', afirma.
Segundo ela, a intenção é atrair boas energias, afastar inveja e mau-olhado, que muitos brasileiros acreditam que atrapalham a sua vida. ''As pessoas também querem relaxar, limpar e purificar ambientes. O incenso de sete ervas, próprio para defumar e limpar os espaços, é bastante procurado neste período'', cita.
O público, de acordo com Wanda, é bem variado. ''Temos clientes de diferentes idades. Mas a maioria é mulher'', destaca.


Imagem ilustrativa da imagem Para atrair bons fluidos
| Foto: Anderson Coelho
A estudante Priscila Sanches vai passar o revéillon de amarelo para alcançar prosperidade: ''É uma forma de expressar nossos planos''
Imagem ilustrativa da imagem Para atrair bons fluidos
Wanda de Oliveira, gerente da Zonna do Aroma: nesta época aumentam as vendas dos símbolos de proteção



Leia a reportagem completa em conteúdo exclusivo para assinantes da FOLHA.