Segundo o dermatologista londrinense Leandro Neme, os produtos para o rosto que combinam a capacidade de proteção solar com propriedades anti-idade são recomendados por serem mais completos, à medida em que apresentam substâncias capazes de combater os radicais livres e, portanto, retardar o processo de envelhecimento da pele. O médico alerta, porém, que caso seja utilizado um bom antissinais noturno, torna-se opcional o uso de protetores com propriedades anti-idade.
''Além dos protetores solares com antissinais, também existem versões com tonalizante, que possuem a vantagem de dispensarem o uso de maquiagem sobre o protetor solar. Os protetores solares com tonalizante bloqueiam as lâmpadas fluorescentes (que também são responsáveis pelo aparecimento de manchas na pele) com muito mais eficácia que os convencionais'', detalha Neme.
O dermatologista também explica que os protetores solares com fórmulas menos elaboradas costumam ser mais oleosos e apresentam um odor mais marcante. ''Produtos mais oleosos tendem a obstruir os poros, causando o aparecimento de acne inflamatória, comedões (cravos) e miliuns (microcistos superficiais). Considerando-se o rosto como uma área mais nobre, o investimento em produtos para retardar o processo de envelhecimento acaba sendo maior.''
Neme alerta que os protetores solares para rosto devem ser compatíveis com as características de cada pele. Segundo o dermatologista, peles ressecadas necessitam de cremes protetores com propriedades hidratantes e peles oleosas requerem protetores em veículo oil-free (gel e gel-creme, por exemplo). Também é importante lembrar, segundo ele, que os protetores devem apresentar FPS (fator de proteção solar) 30.
Ele explica que nos EUA, em 1999, o Food and Drug Administration (FDA) decidiu instituir o rótulo de FPS 30+ para filtros que oferecem proteção acima de 30. ''Essa atitude foi tomada para desencorajar empresas a produzirem falsos títulos com relação ao nível de proteção oferecida (tal como ''proteção o dia inteiro''), e porque um filtro com FPS acima de 30 não provê proteção significantemente maior.'' Também é necessário, de acordo com o médico, que os protetores bloqueiem adequadamente tanto raios UVA, quanto os UVB.
O dermatologista esclarece ainda que, diferentemente dos emolientes, antissinais e despigmentantes, os protetores solares manipulados não apresentam a mesma estabilidade dos produtos industrializados, pois apresentam queda do FPS com o passar do tempo. ''Resumidamente, os protetores solares devem ser industrializados, com FPS 30 e PPD (índice de proteção contra os raios UVA) de pelo menos 10 e devem apresentar veículo mais ou menos seco de acordo com as características de cada pele. Devem ser aplicados duas a três vezes ao dia, a partir dos seis meses de idade, durante todo o ano e independentemente de o dia estar ensolarado ou encoberto, pois 80% da radição solar não é barrada pelas nuvens.'' (S.L.)

Imagem ilustrativa da imagem O melhor protetor para cada pele
A alta proteção UVA resguarda a pele do envelhecimento precoce; a UVB ajuda a evitar queimaduras solares