Mariana Moura tem uma estreita relação com a tecnologia no quesito celular. Inteligente, bonita, bem-sucedida e dinâmica, aos 30 anos é sócia-proprietária de quatro lojas de revenda Vivo, sendo duas em Londrina e as demais nos estados do Pará e Amapá. A bagagem de 10 anos nesse mercado fez com que a empresária desvendasse, como poucas - a cada lançamento - os benefícios e as maravilhas desse que, para a maioria dos mortais, é um acessório indispensável.
''Os celulares sofreram um boom nos últimos anos. Ao lado da tecnologia de ponta e funcionalidade, o design é um dos principais fatores que contam na aquisição e, por isso, fabricantes de todo o mundo estão investindo pesado nessa área para produzir aparelhos cada vez mais belos e sofisticados. Não podemos prever muito, pois quem imaginava que em tão pouco tempo teríamos aparelhos celulares que possuem conexão, câmeras de alta resolução e inúmeros aplicativos como GPS, otimizando o custo benefício de ter tudo em apenas um só aparelho?''.
Fazendo jus à área que atua, ela está no escrete dos que não vivem sem o aparelho. Acessório indispensável nos negócios, para onde quer que vá, carrega consigo seu iPhone e seu iPad. ''Tenho carregador na bolsa, no carro, no trabalho e em casa. No tablet fico conectada o tempo todo. Celular hoje em dia não é apenas para jogar conversa fora, é uma essencial ferramenta de trabalho'', disse.
Em 2012, as prioridades estão focadas nos âmbitos profissional e pessoal. Para os negócios, a meta da jovem é continuar priorizando os serviços que envolvem consultorias aos clientes, atendimento diferenciado com especialista em configurações de sistema operacional, entre outros. Na vida afetiva, Mariana pretende, no futuro, constituir família ao lado do namorado e sócio, Pedro Henrique Viggiani, com quem namora há nove anos e passou a dividir o mesmo teto há pouco mais de quatro meses. A produção da fots é de Marcelo Dataré, do Visage, com fotos feitas no decorado Heritage, da A.Yoshii.

Imagem ilustrativa da imagem O assunto é... Celulares
| Foto: César Augusto