Najara Ascencio vive no universo das modelos, aquele com diversas imposições de peso, aparência e comportamento. Mas a londrinense, dona de uma genética invejável e muita atitude, desfruta de muitos prazeres sem peso na consciência.
''Não passo vontade, como de tudo, principalmente besteira, e não costumo compensar. Tomo muito cuidado com meus cabelos e minha pele, que sofrem demais com tantos trabalhos. E faço academia para deixar tudo no lugar'', revela.
Autêntica, modesta e fã de música eletrônica, em editorias com pouca roupa e muita sensualidade, ou em campanhas comerciais, ela esbanja uma beleza ímpar, charme e muita desenvoltura. A combinação pele branquinha, olhos verdes e traços marcantes fez essa acadêmica de Direito de 20 anos perder as contas de quantas campanhas fez no ano passado.
''Não sei a conta certinha, mas vamos dizer que estive um pouco ocupada. Fevereiro e março foram meses tranquilos, mas daqui para frente volto a fotografar os catálogos das marcas e começa toda correria novamente.''
Conciliando estudo, namoro e profissão de modelo, ela tira de letra o fato de passar 10 horas seguidas em cima de um salto alto fotografando. ''Já fiz um trabalho que começou de manhã e só terminou no dia seguinte. Foi a gravação de um clipe para uma banda mexicana'', lembra ela.
Simpática e bem-humorada, Najara não se limita a dizer que poucas coisas a tiram do sério. Uma delas - senão a pior - é quando ouve que vida de modelo é - digamos - ''mamão com açúcar''. ''Quando alguém diz isso, eu tenho que falar: passe um dia ao meu lado para você ver como é e depois você me diz de novo se acha que é fácil (risos). É muito cansativo! Sempre que viajo de carro para lugares perto de Londrina, minha mãe vai comigo dirigindo na ida e na volta, porque volto tão cansada que não tenho nem condições de dirigir.'' (Elaine Souza)

Imagem ilustrativa da imagem O assunto é...