Imagem ilustrativa da imagem O assunto é...
Mercado automotivo
  Na lis­ta das di­ver­sas cre­den­ciais ne­ces­sá­rias pa­ra o cres­ci­men­to pro­fis­sio­nal es­tá o bom-sen­so. Re­si­de aí - tam­bém - o su­ces­so pro­fis­sio­nal que a jo­vem Aman­da Da­van­tel Bos­car­din acu­mu­la nos ­anos em que tra­ba­lha nas em­pre­sas da fa­mí­lia.   Aos 28 ­anos de ida­de, des­de que cur­sa­va Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas na UEL, ela já zan­za­va pe­las con­ces­sio­ná­rias de seu pai, o ta­rim­ba­do em­pre­sá­rio Ar­man­do Bos­car­din. Com o tem­po, e pas­san­do por qua­se to­dos os se­to­res, ho­je, a tam­bém ad­vo­ga­da ocu­pa o car­go de che­fe do se­tor fi­nan­cei­ro, ­além de ­atuar jun­to ao de­par­ta­men­to de mar­ke­ting.   Do­ta­da de mui­ta ma­tu­ri­da­de, con­tro­le e gran­des ha­bi­li­da­des pa­ra to­mar de­ci­sões, a apu­ca­ra­nen­se co­man­da uma gran­de equi­pe e faz da sua só­li­da ba­se fa­mi­liar e boa for­ma­ção es­co­lar nú­me­ros que pin­tam de ­azul os re­sul­ta­dos da em­pre­sa, ga­ran­tin­do, ano a ano, prê­mios de des­ta­que na­cio­nal.   ‘‘Ter­mi­na­mos o ano de 2011 com gran­des rea­li­za­ções e con­quis­tas. Nes­se mer­ca­do tão com­pe­ti­ti­vo, não bas­ta ofe­re­cer um pro­du­to de qua­li­da­de pa­ra ­atrair o clien­te, o gran­de di­fe­ren­cial es­tá no aten­di­men­to. O clien­te ­quer aten­ção e bus­ca so­lu­ção das ­suas ne­ces­si­da­des. A em­pre­sa que con­se­gue ­aliar um pro­du­to de qua­li­da­de a um ex­ce­len­te aten­di­men­to cer­ta­men­te fi­de­li­za seu ­cliente’’, ex­pli­ca.   Mes­mo com pou­ca ida­de e mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de, Aman­da con­se­gue en­con­trar o equi­lí­brio sau­dá­vel en­tre sua ati­vi­da­de pro­fis­sio­nal e sua vi­da pes­soal. Re­cém-ca­sa­da com o em­pre­sá­rio Ro­dri­go Ma­ra­dei, é ca­sei­ra, dis­cre­ta e mui­to ele­gan­te na ma­nei­ra de se ves­tir e se por­tar.   ­Cheia de me­tas pa­ra 2012, as ex­pec­ta­ti­vas, se­gun­do ela, são as me­lho­res. ‘‘Es­te ano a es­pe­ra é de um mer­ca­do es­tá­vel com cres­ci­men­to en­tre 4% e 5%. A in­dús­tria au­to­mo­ti­va co­mo um to­do de­ve evo­luir mui­to em 2012 pa­ra aten­der o con­su­mi­dor que ho­je tem ­mais ren­da, po­de com­prar pro­du­tos me­lho­res e que es­tá ca­da dia ­mais ­exigente’’. (Elai­ne Sou­za)