Para a psicóloga clínica Eliane Belloni, mestre em psicologia e sociedade, a relação entre pais e filhos acompanha as evoluções da sociedade contemporânea. ''Antigamente havia mais imposição e menos diálogo. Hoje é o contrário. Existe um vínculo de amizade e de confiança'', destaca. Segundo ela, atualmente os pais podem conversar sobre qualquer assunto com os filhos, o que é altamente positivo. ''Perderam-se alguns tabus e os filhos já não têm tanto medo da punição'', observa.
A psicóloga pondera, no entanto, que apesar das relações estarem mais próximas e amigáveis, existem consequências negativas. ''Hoje há filhos órfãos de pais vivos. Existe mais facilidade de contato, mas muita dificuldade de presença'', avalia Eliane, justificando que diversos fatores concorrem com a presença paterna, como a vida profissional e as novas tecnologias.
Ela destaca ainda que valores e referenciais importantes ficaram para trás. ''Antes a figura do pai era mais forte e havia uma relação maior de respeito'', afirma.
Este novo contexto, de acordo com ela, reflete a mudança dos papéis de gênero que aconteceu no decorrer dos anos. ''Antigamente o homem era o provedor da casa e seu papel estava ligado à imposição de limites. O afeto ficava restrito à figura da mulher. Já hoje as funções são diversificadas e se complementam. Tudo depende do núcleo familiar'', explica.
Diversos fatores influenciaram esta nova realidade. ''O sistema de consumo, a entrada da mulher no mercado de trabalho e a revolução tecnológica alteraram a forma das famílias se organizarem e a ideia de tempo e de espaço'', ressalta.
E, independentemente de todas as mudanças, Eliane resume que ''educar sempre foi um processo trabalhoso que tem como objetivo principal preparar as crianças e adolescentes para as adversidades da vida.''
Os pais da modernidade, para a psicóloga, precisam nutrir emocionalmente seus filhos, com imposição de limites e regras. ''Não podem deixar de exercer o seu papel. Devem conversar, aprender a falar e também ouvir'', orienta. (P.C.B.)


Imagem ilustrativa da imagem 'Muitos tabus ficaram para trás'
Olavo Baptizaco, 84 anos, com a filha Samira, 31: ‘‘Tive que me atualizar para educá-la’’