Ter contato diário com outro idioma contribui bastante para o aprendizado. Quanto maior a imersão, melhor. Por isso, recomenda-se passar um tempo fora do país, onde é possível praticar e aprimorar a nova língua. As escolas bilíngues também são uma alternativa, como a St. James'International School.
Além do contato diário, os alunos da instituição ainda têm a oportunidade de conviver com pessoas de outros países para desenvolver ainda mais a linguagem. Atualmente, a escola conta com alunos da Coreia, Japão, Alemanha, Austrália, Argentina, Inglaterra e Suécia. ''É uma troca de riquezas'', define a diretora Márcia Kobayashi.
Ela afirma que o número de estrangeiros em Londrina cresceu nos últimos anos. ''Muitos pais se mudam para trabalhar em multinacionais instaladas na cidade e muitos adolescentes estão aqui para fazer intercâmbio. Eles buscam a escola por ser bilíngue '', diz.
Márcia explica que na St. James parte das aulas é ministrada em português e parte em inglês. As disciplinas da Base Nacional Comum do Parâmetro Curricular Brasileiro, segundo ela, são todas em português. ''Seguimos também o currículo internacional com aulas em inglês. Damos ênfase às disciplinas de literatura e gramática. É uma imersão na língua inglesa'', pontua a diretora.
Na educação infantil, as crianças têm contato com inglês 60% do tempo. No fundamental I 40% e no fundamental II 35%. ''O ensino médio não é bilingue, pois o foco é no vestibular'', destaca.
De acordo com Márcia, o bilinguismo é uma tendência mundial diante do cenário globalizado. ''Quanto mais cedo a criança começa a aprender, melhor. Não há interferência na linguística. Percebemos que os resulttados são altamente positivos'', garante.
Em Londrina, outra escola que dá ênfase ao ensino da língua inglesa é a Every, que recebe crianças entre 1 e 5 anos de idade. São 45 minutos de aula de inglês diariamente. ''Consideramos a fase de desenvolvimento da criança. As aulas valorizam o lúdico, ensinando por meio de músicas e brincadeiras'', salienta Verlaine Ferraresi, diretora pegagógica.
O foco é no vocabulário. ''Temos um material específico para o inglês e sempre procuramos incluir a vivência da criança'', destaca. Segundo Verlaine, é fundamental que a criança tenha contato com a língua inglesa o mais cedo possível. ''Os resultados são nítidos. Percebemos a evolução. Aos cinco anos a criança já consegue formar frases em inglês'', observa Verlaine. (P.C.B.)


Imagem ilustrativa da imagem Imersão na língua inglesa
| Foto: Cesar Augusto
A escola St. James reúne alunos da Coreia, Japão, Alemanha, Austrália, Argentina, Inglaterra e Suécia: troca de riquezas com os brasileiros