De cara nova


Bruna QuintanilhaReportagem Local
Bruna QuintanilhaReportagem Local

Transformar um ambiente é uma tarefa prática quando se recorre ao papel de parede. Elemento fácil de ser trocado e de baixo investimento, quando comparado ao preço de uma reforma, eles podem ser usados em diversos cômodos e nas mais variadas funções.

Atualmente os tipos mais utilizados são os tradicionais, feitos somente de papel, e os vinílicos, que levam além de papel uma camada de PVC e, por isso, têm textura mais emborrachada. O papel de parede tradicional é bem mais frágil do que o vinílico e exige mais cuidados. Sua limpeza, por exemplo, deve ser feita somente com aspiração. Já o vinílico é um pouco mais impermeável e permite que se passe um pano úmido na hora de limpar.

Segundo a arquiteta Nathália Montans, a principal vantagem deste artefato é a possibilidade de brincar com os ambientes. Para quem gosta de renovar, a dica da arquiteta é investir em móveis de tons neutros e papéis de parede com diferentes cores e texturas. "Dessa forma você pode trocar o papel e dar cara nova ao cômodo sempre que quiser." O papel de parede também serve para improvisar e até substituir o mobiliário. "Dá para trocar a cabeceira da cama, por exemplo, por um papel de parede bonito", sugere Nathália. O mesmo vale para o painel da sala de TV. "Neste caso, o ideal é escolher um modelo sem muita informação", aconselha a arquiteta.

Mas atenção: apesar de versátil, o papel de parede não deve ser utilizado para "corrigir" imperfeições. "Muita gente tenta esconder infiltrações com o papel de parede e o resultado é um desastre", explica Nathália. Isso acontece pois a umidade faz com que o papel manche e descole.

Por esse mesmo motivo, o artefato não é indicado para ambientes com umidade como banheiro. "As pessoas veem o papel em lavabos e querem incluir no banheiro, mas não é recomendado. A umidade vai danificar o produto e em pouco tempo ele precisará ser substituído", aponta a arquiteta.

A cozinha também pede cuidados especiais na hora de utilizar o papel de parede, conforme explica a arquiteta Lilian Simões. "O ideal é que ele seja colocado em uma parede longe do fogão e da pia para não sujar ou molhar", recomenda a profissional. De acordo com Lilian, o vinílico é mais indicado neste caso, já que permite uma limpeza melhor.

Continue lendo:

- Aposte nas tendências

DICAS
Papel de parede não significa economizar na pintura: antes de receber o papel é preciso aplicar massa corrida e tinta na parede

Sem esses cuidados o papel não vai aderir corretamente

Contrate um profissional qualificado para fazer a aplicação e não perder o papel

Os profissionais cobram em média de R$ 60 a R$ 70 por rolo aplicado

Fonte: Lilian Simões, arquiteta

De cara nova
Fotos: Divulgação
Criatividade e charme são evidentes em cada um dos detalhes que compõem o projeto da residência, assinada pela arquiteta Calina Mussi. Alegre e prática, a casa em Curitiba reflete o estilo de viver da proprietária, que mesmo entre processos burocráticos que envolvem sua profissão de juíza, prefere uma atmosfera delicada e descontraída. Na cozinha, o destaque fica por conta do papel de parede



De cara nova
Neste quarto de casal a arquiteta Nathália Montans, de Londrina, utilizou um papel de parede com estampa adamascada. A composição com o espelho, recurso bastante utilizado em espaços pequenos, e com a iluminação correta fez com que o papel fosse ainda mais valorizado deixando o ambiente sofisticado



De cara nova
Tendência, o "composê", técnica que mistura estampas diferentes, foi a escolha da arquiteta Nathália Montans, de Londrina, para esse quarto de bebê. Para que o ambiente não ficasse carregado, a profissional escolheu estampas com cores semelhantes que combinam com o mobiliário e os itens de decoração do ambiente



De cara nova
A arquiteta Daniela Barranco Omairi, de Curitiba, gosta de usar papéis de parede em seus projetos porque, diferentemente do revestimento em tecido, eles são de fácil manutenção. A profissional inseriu papel neste lavabo para aproveitar o espelho, que permite que a mesma imagem seja difundida mais de uma vez. Para ela, isso valoriza a estampa



De cara nova
O projeto assinado pelas arquitetas Sony Luczyszyn e Cristiane Maciel, da ArqTríade, mescla cores fortes e detalhes mais claros para tornar o ambiente mais aconchegante. Unindo detalhes da decoração contemporânea, com toques de clássico, as arquitetas optaram pelo uso de um papel de parede, trabalhado geometricamente, para completar o clima do quarto



De cara nova
Um estúdio compacto (34 metros quadrados) com linhas arrojadas cujo principal objetivo é ser aconchegante. Esta foi a proposta das arquitetas Samara Barbosa e Michele Krauspenhar, da Smart Arquitetura, de Curitiba, neste ambiente. O espaço foi idealizado tendo em mente um casal que busca praticidade em sua primeira residência. O papel de parede listrado em cinza, dourado e amarelo conferiu mais sofisticação e ousadia ao espaço





De cara nova
Neste projeto da arquiteta Lilian Simões, de Londrina, a sala de jantar com móveis escuros ganhou um papel de parede listrado em tom neutro, enriquecendo a parede de destaque do ambiente. Mesmo discreto, o papel chama atenção pelas diferentes texturas e brilho em sua composição

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo