|
  • Bitcoin 107.222
  • Dólar 5,2680
  • Euro 5,5441
Londrina

Folha Cidadania

m de leitura Atualizado em 06/06/2022, 18:43

Os bastidores das escolas: a educação começa na limpeza

A rotina de limpeza das escolas municipais conta com 475 profissionais, sendo 469 mulheres e seis homens, divididos em 122 unidades

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 07 de junho de 2022

Tamiris Anunciação/ Especial para a FOLHA
AUTOR autor do artigo

Foto: Acervo pessoal
menu flutuante

Mais do que professores e alunos dedicados, salas de aula, cadernos e livros, a estrutura para um ambiente escolar completo, inclui uma equipe de profissionais que todos os dias trabalham para que as crianças encontrem na escola um

ambiente seguro, limpo e preparado para recebê-las.

Mariza Fabri, segunda da esquerda para a direita, com as colegas de trabalho da Escola Municipal Miguel Bespalhok: "As crianças nos respeitam muito" Mariza Fabri, segunda da esquerda para a direita, com as colegas de trabalho da Escola Municipal Miguel Bespalhok: "As crianças nos respeitam muito"
Mariza Fabri, segunda da esquerda para a direita, com as colegas de trabalho da Escola Municipal Miguel Bespalhok: "As crianças nos respeitam muito" |  Foto: Acervo pessoal
 

Mariza Fabri, 45, está há 8 anos na equipe de limpeza da Escola Municipal Miguel Bespalhok, sua primeira atividade quando chega na escola às 6h45 é fazer a limpeza das carteiras e quadros das salas de aula, o chão já foi limpo no dia

anterior, ao final do dia, por outras colaboradoras. Um trabalho, literalmente, nos bastidores do ambiente escolar, para que professores e alunos tenham um espaço higienizado quando a escola abre as portas e o sinal para o início das aulas toca.

“O trabalho da limpeza é muito importante para a educação das crianças, eles nos respeitam muito. Até quando acontece algo em sala de aula, como derrubar água no chão, eles mesmos querem limpar, e aí a gente explica que não precisam, que este é o nosso trabalho. É muito gratificante receber essa atenção”, pontua Mariza Fabri.

A Escola Municipal Miguel Bespalhok tem ao todo 600 alunos, do P5 ao 5° ano, divididos em 12 turmas pela manhã e 12 no período da tarde. A rotina de trabalho na limpeza da escola na zona leste de Londrina, é compartilhada entre Mariza e

outras 3 colaboradoras, dentre suas atividades diárias está toda a limpeza geral da instituição. É como cuidar de uma casa, mas com muito mais gente desfrutando do espaço. 

O serviço de limpeza das escolas e centros municipais de educação infantil (CMEI’s) de Londrina atualmente é terceirizado pela empresa Costa Oeste, em um contrato de R$ 24.907.704,48 por ano, já está incluso no valor todos os produtos e ferramentas necessários para os serviços de limpeza das instituições de ensino.

Ao todo são 475 profissionais, distribuídos nas 122 unidades escolares do município. 374 serventes estão em escolas e 101 em CMEI’s, deste número, 469 colaboradores são mulheres e apenas 6 são homens.

O CMEI Valéria Veronesi, também conhecido como Super Creche, localizado no centro da cidade, tem 416 alunos, de 0 a 5 anos, e é a maior unidade de educação infantil de Londrina, contando com 11 serventes (7 simples e 4 insalubres).

Zelando pelo bem-estar dos alunos Augusta Mecchi, 57, trabalha no CMEI Valéria Veronesi há 9 anos, e é a funcionária

mais antiga da instituição. Responsável pelo setor de higiene, Augusta Mecchi gerencia os produtos de limpeza da unidade, como a reposição de papel higiênico e álcool em gel, lava todos os lençóis, toalhas e peças do dia a dia do centro de educação infantil.

Para ela, o trabalho de limpeza nas escolas zela pelo bem-estar das crianças. “Ver uma criança que pode cair e evitar a situação, ver um lugar molhado e enxugar para que nenhum aluno escorregue, tudo isso é cuidar do bem-estar delas e eu faço tudo com muito amor, como gostaria que fizessem pelos meus netos e filhos.”

VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS

Todo o cuidado que as profissionais da limpeza exercem no ambiente escolar é reconhecido e valorizado pelas crianças, que retribuem demonstrando pelo próprio comportamento atenção e gratidão. “Os alunos são muito carinhosos, quando a criança recebe amor, ela devolve”, complementa Augusta Mecchi.

Lizianne Elis, 37, trabalha há 5 meses na CMEI Valéria Veronesi, essa é sua primeira experiência em uma unidade escolar. Sua rotina começa no refeitório, antes das crianças chegarem para as refeições e após cada uma delas. A colaboradora é responsável por toda a preparação do espaço. “Chego cedo, me preparo e organizo o refeitório para que as crianças cheguem na escola e encontrem um ambiente limpo e organizado”, destaca.

Lizianne Elis, do CMEI Valéria Veronesi: "Chego cedo e organizo o refeitório  para as crianças" Lizianne Elis, do CMEI Valéria Veronesi: "Chego cedo e organizo o refeitório  para as crianças"
Lizianne Elis, do CMEI Valéria Veronesi: "Chego cedo e organizo o refeitório para as crianças" |  Foto: Acervo pessoal
 

Além da importância dos serviços de limpeza das escolas para a segurança e convívio das crianças, o afeto cultivado entre elas e as profissionais responsáveis, carinhosamente chamadas de “tias”, pela manutenção do ambiente escolar, reflete positivamente, e de maneira natural, no desenvolvimento e educação dos alunos.

As crianças sabem quem são as pessoas que zelam pelos espaços que elas utilizam e ao longo do tempo estabelecem laços e respeito mútuo. “Até a gente ganhar a confiança deles demora um pouquinho, mas a gente acaba criando um

laço de afeto com as crianças, já que passamos a maior parte do tempo aqui”, conta a colaboradora Lizianne Elis.

Algo que Mariza, Augusta e Lizianne têm em comum, além da responsabilidade com que exercem suas atividades profissionais, é o amor pelo que fazem, a fala “eu amo trabalhar aqui” é comum entre elas, mesmo em escolas e postos de trabalho diferentes.