|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

CIDADANIA 5m de leitura Atualizado em 05/10/2021, 08:20

Metodologia: um norte na condução do ensino

Além das ferramentas, professores lançam mão da sensibilidade para formação individual e adaptam-se a transformações como ocorreu na pandemia

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 05 de outubro de 2021

Walkiria Vieira - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Se a educação não for provocativa, não constrói, não se cria, não se inventa, só se repete.” O pensamento do filósofo e escritor Mario Sergio Cortella é uma referência para a coordenadora pedagógica da Escola Municipal  Pedro Vergara Correa, Hélvia C. O. Machado.

 Hélvia C. O. Machado, cordenadora de escola que fica no Jardim Mister Thomas: "É no exercício de reflexão entre teoria e prática que conhecemos cada aluno"
Hélvia C. O. Machado, cordenadora de escola que fica no Jardim Mister Thomas: "É no exercício de reflexão entre teoria e prática que conhecemos cada aluno"
 

Com 30 anos de atividade, a Escola Municipal  Pedro Vergara Correa, localizada no jardim Mister Thomas, atende 320 alunos.  Quando o tema é metodologia, Machado pondera que antes de se tratar metodologia de ensino, é preciso pensar qual teoria de ensino embasa a prática docente. "O ensino público municipal adotou como linha teórica norteadora a Teoria Histórico Cultural, e essa teoria embasa a tendência pedagógica Crítica Social dos Conteúdos, onde ensinar é favorecer a apropriação da cultura e aprender é reelaborar criticamente os saberes."



De acordo com a coordenadora, são muitas as tendências pedagógicas pelas quais o ensino já caminhou, e nenhuma nova prática ou concepção educativa está completamente esvaziada da prática e concepção educacional anterior, entretanto é no exercício de reflexão entre teoria e prática que a coordenadora  conhece seus alunos e tendo claro quais são os meus objetivos pode usar ferramentas pedagógicas adequadas e mediar o processo de ensino-aprendizagem mais assertivamente.


Além do método, a coordenadora elenca que um aspecto muito importante a ser considerado quando  se trata  de ensino e aprendizagem é o afeto. Ele deve estar presente nas ações, demonstrando como estabelecer vínculos afetivos nas relações sociais e até por meio das brincadeiras. A Secretaria Municipal de Educação oportuniza aos professores formações com conteúdos voltados para a prática de sala de aula. O objetivo dessas formações é que o professor tenha acesso tanto a teoria quanto a sugestões de práticas educativas fundamentadas. "O professor também é um mediador nesse aspecto, e deve demonstrar como isso é possível com ações pedagógicas intencionais para tal fim", esclarece.


CRIATIVIDADE, TEMPO DE AULA REDUZIDO E SENSIBILIDADE 

Silvia Helena de Freitas Ruiz, coordenadora de escola do Conjunto das Flores: "A aquisição do conhecimento é um processo construído pelo aluno durante toda sua vida o que o torna o personagem principal no processo ensino-aprendizagem"
Silvia Helena de Freitas Ruiz, coordenadora de escola do Conjunto das Flores: "A aquisição do conhecimento é um processo construído pelo aluno durante toda sua vida o que o torna o personagem principal no processo ensino-aprendizagem" |  Foto: Walkiria Vieira
 

Para Silvia Helena de Freitas Ruiz, Coordenadora Pedagógica da Escola Municipal Dalva Fahl Boaventura,  as metodologias de ensino variam de acordo com a atividade dominante do indivíduo. Uma criança na idade pré-escolar  vivencia diariamente o "jogo de papéis" quando brinca de casinha, quando simula que está cozinhando ou dirigindo um carro. Na fase da alfabetização, o aluno inicia o processo de formação do pensamento teórico com atividades de leitura e escrita, interpretação, cálculos entre outras. "Metodologia vem do grego “méthodos” e significa caminho para se chegar a um objetivo final, no caso da escola, a aprendizagem dos alunos", explica.


Assim, a coordenadora que está na rede municipal de ensino há 13 anos pontua que o desenvolvimento do psiquismo humano ocorre de modos diferentes nas diversas fases de nossa vida, e isto se dá por meio de uma atividade dominante/principal, que é responsável por suprir as necessidades pertinentes a cada um dos estágios do desenvolvimento.

Acerca de existir um método, seu ordenamento e sequência , Ruiz afirma que na unidade escolar valoriza-se o contexto histórico, social e cultural em que o aluno está inserido, pois o desenvolvimento se dá por meio da interação social dos indivíduos. "A aquisição do conhecimento é um processo construído pelo aluno durante toda sua vida o que o torna o personagem principal no processo ensino-aprendizagem."


Ruiz esclarece ainda que existem muitas metodologias  de ensino, cada uma com a sua particularidade. "Não há obrigatoriedade de seguir um determinado método  de ensino. Buscamos, sempre, tirar proveito de todas as metodologias disponíveis".  E também pontua  que cada um deles possui pontos positivos e negativos, vantagens e riscos,  entretanto é assegurado ao professor, com as devidas orientações pedagógicas, elencar qual metodologia utilizar em determinadas situações.

Em relação à aplicabilidade, entende que cada aluno é tratado na sua individualidade. "O que funciona para determinado aluno pode não funcionar para  outro, e aí entra o  jogo de cintura do professor quando o mesmo  é capaz de mesclar entre metodologias, teorias e as diversas formas de ensinar o mesmo conteúdo, focado num único objetivo: a aprendizagem assistida e os avanços da criança por meio da mediação", expõe.

 
Segundo a coordenadora da Escola Municipal Dalva Fahl Boaventura,  que atende 248 alunos, do P ao 5º ano, as metodologias estão em constante evolução.  "Nos anos 60, a forma de ensinar era diferente, o professor era o protagonista da ação.  Já nos últimos 20 anos, os profissionais da educação passaram a contar com as metodologias ativas de aprendizagem, nas quais passa-se a  valorizar o protagonismo dos estudantes".

A coordenadora pedagógica da Escola Municipal Elias Kauam, Neide Lira da Cruz, é responsável por 272 alunos- do P4 ao EJA. A unidade fica no Jardim Novo Amparo, região norte de Londrina e tem 39 anos. Cruz considera que uma metodologia é um norte, e, com objetivos, tudo tem começo, meio e fim. "Assim, o professor não fica à mercê de improvisos e sabe qual o caminho trilhar".

Neide Lira da Cruz, coordenadora de escola municipal que fica no Jardim Novo Amparo "Alunos com necessidades especiais não podem ser privados de conteúdo e assim a metodologia é adaptada às dificuldades que surgem"
Neide Lira da Cruz, coordenadora de escola municipal que fica no Jardim Novo Amparo "Alunos com necessidades especiais não podem ser privados de conteúdo e assim a metodologia é adaptada às dificuldades que surgem" |  Foto: Gustavo Carneiro
 


Ela também ratifica que a individualidade é levada em consideração. "Colho as informações e com intencionalidade, é feita a intervenção". A coordenadora informa que alunos com necessidades especiais não podem ser privados de conteúdo e assim a metodologia é adaptada às dificuldades que surgem em sala de aula.

Com 25 anos de atuação, Cruz  defende que o professor tem papel de mediador. "Além de todo aparato científico e metodológico, precisa haver uma interação interpessoal no relacionamento. "Os professores são multitarefados e para atingir os objetivos de aprendizagem, a afetividade é uma ferramenta que devemos usar de acordo com as necessidades.

ADAPTAÇÕES NA PANDEMIA


 A Escola Municipal Dalva Fahl Boaventura fica localizada no Conjunto das Flores, região Sul de Londrina e foi fundada há 53 anos. A coordenadora Silvia Helena de Freitas Ruiz ressalta que, durante a pandemia do novo coronavírus,  a Rede Municipal de Ensino estruturou o ensino remoto em 2020 por meio do WhatsApp e na Plataforma Google Sala de aula no início de 2021. Os professores mediadores de TDCIs receberam formação em dezembro de 2020 e no início do ano letivo o processo de transposição para o Google Sala de aula foi realizado por meio de um cronograma finalizado em agosto com a inclusão das turmas do P4 - Educação Infantil.


Os pais, por sua vez,  entenderam que o momento da pandemia era de adaptação. "Acertamos, erramos e estamos em constante processo de melhorias", pensa a coordenadora. "A grande maioria das famílias se adaptaram a essa nova metodologia de trabalho que nos foi imposta. Recebemos muitos feedbacks de incentivo e elogio das aulas elaboradas e ministradas pelos professores nas aulas remotas"

E a criatividade sempre é um elemento necessário. Do ponto de vista de Ruiz, em toda profissão. "Entretanto na educação a criatividade se encontra num patamar além dessa perspectiva, pois o fazer pedagógico está cerceado pela intencionalidade , por objetivos, uma vez que cada conteúdo a ser trabalhado traz em seu bojo onde se deseja chegar, quais as condições de aprendizagem serão oportunizadas aos alunos,  o que o ele precisa assimilar, e em quais situações de sua vida esse conhecimento será necessário". Ruiz reforça que  a criatividade configura-se como uma ferramenta de uso contínuo para o professor planejar suas aulas e torná-las significativas, criativas e eficientes para alcançarem os  objetivos e garantir os direitos de aprendizagem dos educandos.  


Outro aspecto relevante em relação à metodologia durante a pandemia é a duração de tempo das aulas, que foi reduzido com o objetivo principal de manter o engajamento dos alunos com as atividades de estudo. "A interação, o suporte socioemocional foi fundamental e mantida pela resiliência e as atitudes dos  professores que se mantiveram recíprocos e ativos para atenderem seus alunos mesmo que de forma virtual.


instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM