Elisa Marilia Carneiro
De Curitiba
Discos antigos, de vinil, gravados em 33 e 78 rotações, e vitrolas antigas, tão comuns nos anos 50 e 60, agora, vão parar nos museus. O Disque-Solidariedade da Prefeitura de Curitiba recebeu essa semana 150 discos e cinco vitrolas, que foram para o acervo do Museu da Imagem e do Som.
Entre as raridades estão discos de Sarita Montiel, Heleninha Costa e Francisco Alves e selos tidos como relíquias, como o Deutsche Gramofone, Hispa Vox, Odeon e RCA Victor.
Quando recebe esse tipo de doação, o Dique-Solidariedade repassa aos museus. ‘‘Existe muita gente jovem que vem ao MIS conhecer as vitrolas, ver como eram os discos pretos de vinil. Mas quem nos procura com mais assiduidade são os estudantes que fazem pesquisa sobre a música de determinada década’’, esclarece Francisco Carlos Nogueira, diretor do MIS.
As cinco vitrolas, que já estão expostas no MIS, são representativas da fase de transição da gravação mono para o estéreo. A mais antiga, é uma Telefunken, do início da década de 50. Todas as vitrolas, em bom estado, algumas ainda funcionam, juntaram-se ao acervo de máquinas fotográficas, rádios, gramofones, câmeras de vídeo e cinema. Os discos ainda serão catalogados para serem expostos posteriormente.
Segundo Francisco Nogueira, o MIS sempre recebe doações. No caso de registros musicais de valor histórico é feito um trabalho de gravação em CDs para não se perder a relíquia e a cópia pode ser manuseada mais facilmente.
Museu da Imagem e do Som, Rua Barão do Rio Branco, 395, tel: 232-9113. Disque-Solidariedade, tel: 200-1200, 3735965 e 373-5964.