São Paulo, 23 (AE) - Roland Emmerich surgiu de maneira um tanto obscura na Alemanha. Nos Estados Unidos, alinhou uma impressionante sucessão de êxitos comerciais, que começou com "Soldado Universal, prosseguiu com "Stargate e atingiu o ápice com o megassucesso, detestado pelos críticos, "Independence Day". Depois, Emmerich danou-se com o fracasso, mais do que merecido, de "Godzilla. Mas a essa altura já havia firmado seu nome como diretor de filmes de ficção científica.
"Stargate" está saindo em DVD pela Versátil. Como sempre, a empresa capricha no produto. Além da escolha de legendas e da tradicional seleção de cenas, o disco traz trailer
biografias e filmografias e o formato widescreen, para que o espectador possa ver, no vídeo, o filme com o formato do cinema.
"Stargate" teve uma sequência para TV e também virou série. Fez tanto dinheiro que tornou viável, para Emmerich, a milionária produção de "Independence Day". Emmerich adora os clichês do cinema de ficção científica praticado por Hollywood nos anos 50, no auge da guerra fria. "Stargate é totalmente irracional e absurdo, mas há que se fazer justiça e dizer também que, às vezes, consegue ser mágico. O resultado, sacramentado pelo público, é que se trata, por tudo isso, de um filme divertido!
Qualquer pessoa que queira levá-lo a sério deveria ter sua cabeça examinada. O nonsense é total. Começa, em 1928, ao pé da Grande Pirâmide, no Egito, quando exploradores descobrem uma forma circular, coberta de arabescos que ninguém consegue identificar. Corta para o presente. Militares discutem a tal roda, que a essa altura já ganhou o nome de "Stargate. Com a ajuda de um cientista (James Spader), descobrem que se trata de um portal para viajar pelo universo.
Entra em cena o coronel Kurt Russell, que adentra com seus homens pelo portal. Vão parar num planeta distante em que reina o andrógino Jaye Davidson e cujos habitantes aliam, à mais desenvolvida tecnologia destruidora, roupas e costumes que parecem saídos do Egito Antigo. Davidson, vale lembrar, é aquele ator que personificou o enigma sexual de "Traídos pelo Desejo"
de Neil Jordan.
Amparado em efeitos de ponta, o filme não faz o menor sentido, dramaturgicamente falando. Mas, como aventura extravagante, com o menu variado do lançamento em DVD, pode ser uma opção atraente para quem gosta de viajar, de brincadeirinha, no espaço sideral. Serviço - Stargate (Stargate). França/EUA, 1994. Colorido, 119 min.Versátil.