|
  • Bitcoin 142.217
  • Dólar 4,8720
  • Euro 5,1399
Londrina

Folha 2

m de leitura Atualizado em 01/04/2022, 16:28

Simone festeja o nordeste em novo álbum

Cantora baiana interpreta apenas composições de autores nordestinos no disco “Da Gente”, são doze músicas

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 04 de abril de 2022

Marcos Roman - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Nana Moraes/ Divulgação
menu flutuante

Dando o pontapé inicial das comemorações de 50 anos de carreira que será celebrado em 2023, a cantora Simone acaba de lançar o álbum “Da Gente”. O disco reúne 12 músicas inéditas em sua voz. Todas as faixas são de autoria de compositores nordestinos de diferentes gerações, dentre eles Fagner, Karina Buhr, Socorro Lira e Juliano Holanda.  

Simone comenta que desde 2015 vinha planejando gravar um disco apenas com autores do nordeste do país. “Eu já tinha comentado sobre isso com algumas pessoas, porque eu sou nordestina. Tinha até um título: Por Ser de Lá, verso de Lamento Sertanejo, de Gilberto Gil e Dominguinhos”. Devido à turnês de shows, o projeto acabou sendo adiado, até que no ano passado a ideia foi compartilhada com amiga Zélia Duncan, que além de assumir a direção artística do disco recomendou que a produção musical do trabalho fosse delegada ao compositor pernambucano Juliano Holanda, nome que vem se destacando na cena contemporânea da música brasileira. 

Aos 72 anos, a cantora baiana relata os motivos que a levaram a mergulhar no universo das composições nordestinas. “Da gente, da nossa gente, do nosso povo, da nossa cultura, da nossa arte, da nossa capacidade de sobreviver. Deste nordeste extraordinário, na linguagem, na música, no tempero, nos ritmos, sol, cores, da criatividade, dos poetas, dos pensadores, artistas, das pessoas”, conceitua a artista que no novo disco empresta a voz grave a baladas, xote, forró, afoxé e boleros. 

Os laços afetivos serviram de fio condutor para a escolha das músicas gravadas. “A vida sem os afetos não vale a pena. O que me salvou na pandemia foi o lado afetivo, o que veio de mim e o que veio pra mim. Espero que, este trabalho Da gente cumpra uma rota sentimental que faz falta nos nossos dias, do coletivo, do grupo, da amizade, da confiança”, destaca a baiana. 

A maioria das canções do repertório do disco são assinadas por nomes da nova geração da MPB. Música de Juliano Holanda, “Haja Terapia” abre o disco fazendo um retrato dos tempos pandêmicos em que o mundo parece ter parado. O desejo, a sensualidade, os encontros e desencontros amorosos estão presentes em faixas como “Por Que Você Não Vem”, assinada pela baiana Isabela Moraes em parceria com o pernambucano PC Silva; “A Gente se Aproveita”, do pernambucano Martins; e “Amor Brando”, de Karina Buhr, que apesar de ter nascido na Bahia foi criada em Pernambuco. Simone regravou ainda "Dezembros”, balada assinada pelos cearenses Fagner e Fausto Nilo com o maranhense Zeca Baleiro, e “Estilhaços”, música composta pela paraibana Cátia de França e pelo pernambucano Flávio Nascimento. 

Leia mais: O teatro experimental da Casa das Fases em podcast

Acostumada a gravações com arranjos pomposos, Simone optou por explorar uma sonoridade mais enxuta e orgânica em seu novo trabalho, abrindo mão dos convencionais teclados e pianos que sempre estiveram presentes em sua discografia. Em “Da Gente”, a cantora é acompanhada apenas por mês instrumentistas: Juliano Holanda (baixo e violão de aço), Webster Santos (violões) e Rapha B (bateria, udu, clave e ganzá). Gravado em apenas 10 dias no mês de agosto do ano passado, o disco foi disponibilizado nas plataformas digitais pela gravadora Biscoito Fino, que também deve lançá-lo em breve no formato CD.  

. .
. |  Foto: Nana Moraes/ Divulgação
 

Serviço: 

Álbum “Da Gente” 

Artista – Simone 

Gravadora – Biscoito Fino 

*Disponível nas plataformas digitais 

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1