|
  • Bitcoin 242.400
  • Dólar 5,5349
  • Euro 6,3186
Londrina

EVENTO 5m de leitura Atualizado em 19/11/2021, 18:03

Sesc Cadeião Cultural abre nesta sexta série de debates on-line sobre a Consciência Negra

Começa nesta sexta-feira (19) evento em reconhecimento à cultura, autoria e educação afro

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Walkiria Vieira - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Para celebrar o Dia da Consciência Negra, 21/11,  o Sesc Cadeião Cultural promove três dias de debates com importantes escritores e pesquisadores da autoria negra em nosso País. 

O primeiro Ciclo de Conversas, nesta sexta (19),  representa uma  oportunidade de ouvir duas importantes escritoras, promovendo reflexões sobre a diversidade do pensamento e a valorização da cultura. 

Lubi Prates é poeta, tradutora, editora, curadora de literatura e doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento Humano (USP). Escreveu os livros “Coração na Boca”, “Triz” e “Um Corpo Negro” (bolsa de criação e publicação de poesia pelo Programa de Ação Cultural). Esta última obra está em processo de publicação na Argentina, Colômbia, Estados Unidos, Espanha e França, além de ter sido finalista do 61º Prêmio Jabuti e do 4º Prêmio Rio de Literatura. Também já publicou plaquetes, antologias e revistas nacionais e internacionais. Sócia-fundadora da nosotros editorial, edita a revista literária Parênteses e dedica-se a ações que combatem a invisibilidade de mulheres e negros.

A escritora Lubi Prates é outra convidada desta sexta(19)
A escritora Lubi Prates é outra convidada desta sexta(19) |  Foto: Divulgação
 

Cidinha da Silva é escritora e editora. Graduada em História pela UFMG e doutoranda no DMMDC da Universidade Federal da Bahia. Tem dezessete livros publicados, entre eles "Um Exu em Nova York", que recebeu o Prêmio Clarice Lispector (categoria contos) da Fundação Biblioteca Nacional em 2019; e "Explosão Feminista", do qual é coautora e foi finalista do Prêmio Jabuti (2019), por ele recebeu o Prêmio Rio Literatura 4ª edição (categoria ensaio).

Participa da coletânea "Questão de pele", composta por contistas brasileiros que tematizaram o preconceito racial (2009). Tem textos traduzidos e publicados em alemão, catalão, espanhol, francês, italiano e inglês. É uma das 100 autoras e autores negros cuja obra foi analisada na coletânea "Literatura e Afrodescendência: antologia crítica" (Org. Eduardo Assis, Editora UFMG, 2011). Sua fortuna dramatúrgica abarca os textos "Sangoma", "Engravidei, pari cavalos e aprendi a voar sem asas" e "Os coloridos". Contabiliza mais de 50 artigos e ensaios envolvendo os temas relações raciais, gênero, juventude e educação, publicados prioritariamente no Brasil no período de 1992 a 2006, mas também na Itália, Reino Unido, Costa Rica, Uruguai e Estados Unidos.

EDUCAÇÃO PELA ARTE

No dia 20, sábado, o o tema é Educação pela Arte, com Jeferson Tenório e Lucas Toledo.  Na ocasião, os autores irão tratar das possibilidades de uma educação que valorize cada vez mais as identidades e subjetividades dos diferentes públicos, ampliando perspectivas individuais, coletivas e institucionais. 

Jeferson Tenório: autor que concorre aos principais prêmios literários do país fala sobre Educação pela Arte no domingo (21)
Jeferson Tenório: autor que concorre aos principais prêmios literários do país fala sobre Educação pela Arte no domingo (21) |  Foto: Divulgação
 

Jeferson Tenório é mestre em literaturas Luso-africanas pela UFRGS e doutor em teoria literária pela PUC RS. Atuou como bolsista Capes em projetos de pesquisas voltados para estudos de literaturas luso-africanas, com ênfase nos temas de colonialismo, pós-colonialismo, identidade e diáspora africana na pós-modernidade. Como escritor, conquistou diversas premiações de destaque, entre eles o de Livro do Ano, para O beijo na parede (2014) e Estela sem Deus (2018). Teve textos adaptados para o teatro e contos traduzidos para o inglês e o espanhol. Seu mais recente lançamento, "O avesso da pele" (2020), já teve os direitos de adaptação comprados para o cinema, assim como os direitos de publicação vendidos para Itália e Portugal. Com essa obra, está na finalíssima dos 3 prêmios mais importantes da nossa literatura: Prêmio Jabuti, Prêmio São Paulo de Literatura e Prêmio Oceanos.

Lucas Toledo é mestre e doutor em Letras (Estudos Literários) e especialista em Literatura Brasileira, pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).  Ministra palestras, cursos e oficinas sobre a autoria negra nas artes, as representações da afroancestralidade, sobretudo na obra do cantor Criolo, corpus de sua pesquisa acadêmica.

No último encontro do Ciclo de Conversas, no dominfo (21) as professoras Amanda Crispim, pesquisadora da obra de Carolina Maria de Jesus, e Vera Eunice de Jesus, filha da escritora e responsável hoje pela difusão de sua obra debatem a obra da autora de "Quarto de Despejo" . A proposta é  pensar formas que possibilitem a inserção da obra de Carolina – e de outras autoras e autores negros – nas escolas como possibilidade de vivências, de democratização cultural e de uma educação antirracista. 

Amanda Crispim doutora em Letras pela Universidade Estadual de Londrina, onde desenvolveu sua pesquisa sobre poemas de Carolina Maria de Jesus, e é também mestre em Estudos Literários pela UFMG, onde desenvolveu pesquisa em torno do conceito de escrevivência e memória afro-brasileira a partir da produção das escritoras Carolina Maria de Jesus, Conceição Evaristo e Geni Guimarães. Desde 2008, desenvolve pesquisas em torno da temática de literatura de autoria de mulheres negras brasileiras. Ministra palestras e cursos sobre o tema, realizou lives, conduziu discussões de obras e orientou trabalhos em torno do assunto. Atualmente, compõe o conselho editorial que organiza e republica as obras de Carolina pela Companhia das Letras.

Vera Eunice de Jesus é professora e reconhecida como uma das mais importantes difusoras da obra de sua mãe – Carolina Maria de Jesus – autora cada vez mais pesquisada e representativa do silenciamento de mulheres negras em nossa literatura. vera é pesquisadora das literaturas de autoria negra e, principalmente, da biografia e das obras deixadas por Carolina.

Em 2021, a editora Companhia das Letras anunciou a criação de um conselho editorial coordenado por Vera Eunice para lançar uma série de obras de Carolina, com reedições de livros já publicados e material inédito. No total, são 27 obras, entre romances, poesias, peças de teatro e contos. Além disso, Vera Eunice prepara biografia da mãe e segue dando palestras, oficinas e participando de eventos em que fomenta a discussão sobre a presença de Carolina no cânone literário brasileiro.

Serviço:

Os links de acesso livre aos encontros estão no site do Sesc Paraná

Dia 19/11, 19:30 - Lubi Prates&Cidinha da Silva: acesse pelo link https://url.gratis/WWhazJ

Dia 20/11, 17:00 - Jeferson Tenório&Lucas Toledo: o link é https://url.gratis/Kb6uHJ

Dia 21/11, 16:00 - Vera Eunice&Amanda Crispim: acesse pelo https://url.gratis/83bZMa

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM