As chances de um filme brasileiro chegar novamente à disputa pelo Oscar passa pelo funil da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de Los Angeles. É ela que vai decidir se ‘‘Eu, Tu, Eles’’, indicado pelo governo brasileiro, vai concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
Escolhido entre uma lista de dez filmes nacionais que se inscreveram no Ministério da Cultura para disputar a possibilidade de concorrer ao Oscar, ‘‘Eu, Tu, Eles’’ vem conquistando a crítica e o público.
A indicação foi anunciada anteontem por José Álvaro Moisés, secretário de Audiovisual do Ministério da Cultura, em Brasília. A candidatura pode ser facilitada pelo respaldo que a Sony Pictures Classics tem nos Estados Unidos, com uma carreira expressiva em festivais internacionais.
Considerada uma comédia familiar, ‘‘Eu, Tu, Eles’’ é apontado como o filme nacional mais bem-estruturado para chegar a uma indicação para o Oscar. Mas todas essas características não são suficientes para garantir a inclusão do filme de Andrucha Waddington entre os cinco títulos internacionais que vão disputar o prêmio de melhor filme estrangeiro.
A comissão responsável pela indicação de ‘‘Eu, Tu, Eles’’ incluiu os cineastas Sandra Werneck, Arnaldo Jabor, Carlos Diegues, Helvécio Ratton e Nélson Pereira dos Santos. Puderam se inscrever filmes que estiveram em cartaz comercialmente entre 1º de novembro de 1999 a 31 de outubro de 2000.
A lista de inscritos incluiu produções bem cotadas, como ‘‘O Auto da Compadecida’’, de Guel Arraes, e ‘‘Castelo Rá-Tim-Bum’’, de Cao Hamburger. A ausência mais notória foi ‘‘Bossa Nova’’, de Bruno Barreto.
Dirigido por Andrucha Waddington, ‘‘Eu, Tu, Eles’’ é protagonizado por Regina Casé e narra a história de uma mulher, no interior nordestino, que possui três maridos – vividos por Lima Duarte, Stênio Garcia e Luís Carlos Vasconcelos.
O filme foi inspirado em história real – outro fator que pode colaborar na seleção. Darlene, a protagonista, surgiu de Maria Marlene Silva Sabóia, cearense de 54 anos que vive na zona rural em Quixelô, no interior do Ceará.
O mais interessante da história é que Marlene dominou a situação, forçando seus três maridos a conviver pacificamente, sem questionamentos ou imposições. Seu marido mais recente, José Eduardo Barbosa, partiu após brigar com um dos filhos de Marlene, em 1997.
As possibilidades do filme entrar na disputa direta pelo Oscar ainda são discutíveis, embora ‘‘Eu, Tu, Eles’’ venha acumulando prêmios no exterior – ganhou como melhor filme no 35º Festival de Karlovy Vary, na República Tcheca, onde Regina Casé foi premiada como melhor atriz. A fita também pode ser considerada um sucesso de público no Brasil: até o último domingo, foi vista por 655 mil espectadores. Ambos os fatos podem agradar os parâmetros da indústria cinematográfica. A lista dos cinco indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro sai em fevereiro.