Naomi Munakata, uma das principais regentes do Brasil, morre vítima de coronavírus


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma das mais importantes regentes brasileiras, Naomi Munakata morreu nesta quinta-feira (26), aos 64 anos. Ela estava internada desde o dia 16 de março no hospital Oswaldo Cruz, em São Paulo. No último dia 19, seu teste para a Covid-19 deu positivo.

Mesmo tendo apresentado uma melhora no quadro clínico nos últimos dias, Munakata teve uma piora abrupta durante a noite, que evoluiu para um choque séptico. A maestrina morreu por volta do meio-dia.



Nascida em Hiroshima, no Japão, em 31 de maio de 1955, Naomi Munakata se mudou para o Brasil com a família aos dois anos de idade. Aos sete, passou a cantar no coral dirigido por seu pai, Motoi Munakata.

Formada em composição e regência na Faculdade de Música do Instituto Musical de São Paulo, ela continuou os estudos na Universidade de Tóquio.

Munakata foi diretora da Escola Municipal de Música de São Paulo e do Coral Jovem do Estado. Sua atuação mais notável, no entanto, foi como regente titular do Coro da Osesp, que dirigiu por duas décadas, de 1995 a 2015 --período que a lançou ao reconhecimento internacional.



Ela era atualmente regente titular do Coral Paulistano Mário de Andrade, do Theatro Municipal de São Paulo.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias