São Paulo, 23 (AE) - Qual é a cara do povo brasileiro? Essa questão é o tema do evento Movimento GNT, que vai ocupar os espaços do Museu de Arte Moderna (MAM), sábado, das 10 às 18h20, para discutir os rumos tomados pelo País durante séculos de mistura racial e luta pelo desenvolvimento. Organizado pelo canal GNT, o evento vai reunir uma série de atividades, como debates, shows, oficinas culturais, worshops, exposições e estandes temáticos de vários países. A iniciativa é aberta ao público, que também poderá ver gratuitamente o acervo do museu.
A programação do Movimento GNT será realizada na marquise do MAM, com oficinas de arte interativas e para crianças. As primeiras, dirigidas às crianças, serão ministradas pela artista plástica Natalie Petsiré. Em seguida, o cenógrafo Elifas Andreato, os pintores Patrícia Naka e José Silveira e a artista plástica sueca Helena Rosén vão fazer a oficina interativa, deixando obras inacabadas para o público concluir.
A sala interna do MAM vai abrigar duas exposições: uma da fotógrafa Cris de Luca - que já fez trabalhos em Paris e Nova York -, com imagens de rostos formando a bandeira brasileira, e outra com fotos do acervo do museu.
No auditório haverá um debate com temas relacionados à diversidade étnica do povo brasileiro, com a participação da psicanalista Maria Rita Khel, às 11 horas, e do cineasta Arnaldo Jabor, às 14 horas.
Encerrando o dia de discussões, a jornalista Marília Gabriela vai mediar, a partir das 15h30, o debate com o tema Preconceito, que será transmitido ao vivo pelo GNT. Entre os participantes do debate estão Netinho, líder do grupo de pagode Negritude Júnior; o professor de teologia Mário Sérgio Cortella, o índio Marcos Terena (fundador do primeiro movimento indígena do País) e a pedagoga Roseli Fischmann.
Às 17h30, o cantor Zeca Baleiro vai encerrar as atividades do Movimento GNT com o melhor da música maranhense.