|
  • Bitcoin 150.264
  • Dólar 4,9314
  • Euro 5,2229
Londrina

Folha 2

m de leitura Atualizado em 27/03/2022, 20:01

Lollapalooza tem edição marcada por temporais, vaias e morte

Uma série de incidentes, inclusive trágicos, marcaram a edição 2022 do evento que voltou a acontecer depois de dois anos

PUBLICAÇÃO
domingo, 27 de março de 2022

Celia Musilli - Editora
AUTOR autor do artigo

Foto: Javier Torres/ AFP
menu flutuante

O baterista da banda Foo Fighters, Taylor Hawkins, 50 anos, foi encontrado morto num hotel em Bogotá (Colômbia), conforme nota divulgada pela banda nas redes sociais no sábado (26), a causa da morte não foi divulgada. 

A banda que está em turnê pela América do Sul, tocaria no Lollapalooza, em São Paulo, neste domingo (27), encerrando o festival como última atração do Palco Budweiser. Emicida, Planet Hemp e Criolo foram reunidos pelo evento, junto com outros artistas, para substituir a Foo Fighters no festival. 

A banda lamentou a morte do baterista nas redes sociais: 

"Seu espírito musical e riso contagiante vão viver conosco para sempre", escreveu grupo no Twitter. "A família Foo Fighters está devastada pela perda trágica e prematura de nosso amado Taylor Hawkins. Seu toque musical e sua risada contagiante viverão com todos nós para sempre. Nossos corações estão com sua esposa, filhos e família, e pedimos que sua privacidade seja tratada com o maior respeito neste momento inimaginavelmente difícil", diz o anúncio no Instagram. 

Foo Fighters: banda cancelou turnê pela América do Sul Foo Fighters: banda cancelou turnê pela América do Sul
Foo Fighters: banda cancelou turnê pela América do Sul |  Foto: Divulgação
 

VÁRIOS INCIDENTES

O Lollapalooza 2022 está sendo marcado por vários incidentes.

Logo no primeiro dia, sexta-feira (25), houve vaias dirigidas em coro ao presidente Jair Bolsonaro e também à organização do evento, entre as manifestações políticas também houve gritos contra Putin por causa da guerra na Ucrânia. Até aí nenhuma novidade, tendo em vista o histórico dos festivais de todos os tipos. 

Em função do mau tempo, houve também outros problemas. Na sexta uma torre de iluminação desabou no Autódromo de Interlagos e atingiu uma pessoa da plateia, o homem, com sangramentos, foi atendido pela equipe médica do festival. 

Mais tarde, com novo temporal, a equipe do Lollapalloza implorou para que a plateia se afastasse da estrutura metálica do palco Onix que poderia atrair raios e atingir o público ensopado pela chuva. Mas a equipe foi vaiada após o show da banda The Wombats, de Liverpool, ser interrompido.    

Na sequência, o show da cantora Pablo Vittar também atrasou devido à tempestade. Mas a cantora acabou roubando a cena apresentando hits novos e antigos. No auge do show ela também puxou vaias contra Bolsonaro, desceu para a plateia e recebeu uma bandeira com o rosto estampado do ex-presidente Lula.

No sábado (26), o partido de Bolsonaro (PL) acionou o STF contra o Lollapalooza. No mesmo dia, o ministro Raul Araújo, do TSE - Tribunal Superior Eleitoral – classificou o ato de Pablo Vittar como “propaganda eleitoral” e determinou multa de R$ 50 mil se novas manifestações desse tipo acontecerem. A ordem é de que não haja mais nenhuma manifestação política, coisa difícil de se garantir num evento gigantesco, com artistas e público ensandecidos durante os shows. 

Mas a onda de incidentes ganhou mesmo tonalidades trágicas com a morte de Taylor Hawkins, baterista do  Foo Fighters. A polícia colombiana suspeita que a morte se deu por consumo de drogas, segundo os jornais. 

Várias celebridades  lamentaram a morte do baterista. 

Luciana Gimenez, que foi ao festival acompanhada do namorado, o empresário Renato Breia, do irmão, o ator Marco Antônio Gimenez, e de Lucas jagger, filho da apresentadora com Mick Jagger, vocalista dos Rolling Stones, falou sobre a morte de Taylor Hawkins: "Acho que o que aconteceu com ele é uma fatalidade, claro", lamentou. "Pede uma reflexão nossa sobre a necessidade que o mundo está de parar, repensar alguns pontos. Eu mesma fiz isso, durante a pandemia, momento que mudei muitos conceitos sobre o meu dia a dia, minhas escolhas."

Nas redes sociais, os fãs da banda Foo Fighters também lamentam profundamente a morte do baterista e a ausência da banda que encerraria o Lollapalooza  neste domingo. 

(Com agências de notícias)

...

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link