|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

LIVRO 5m de leitura Atualizado em 22/11/2021, 12:34

Jornalista lança coletânea de crônicas

“Nossa Senhora dos Ateus” reúne 100 crônicas escritas pelo jornalista Paulo Briguet que lança o livro nesta terça-feira (23), na Livraria da Vila do Aurora Shopping

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Marcos Roman - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Autor de mais de três mil crônicas escritas ao longo de 30 anos de jornalismo, Paulo Briguet está lançando sua quarta coletânea. Intitulada “Nossa Senhora dos Ateus”, a obra reúne 100 textos que abordam assuntos diversos. Editado pela Sétimo Selo, o livro será apresentado aos londrinenses em uma noite de autógrafos agendada para esta terça-feira (23), a partir das 18 horas, na Livraria da Vila localizada no Aurora Shopping.  

Paulo Briguet lança a coletânea "Nossa Senhora dos Ateus" que reúne 100 crônicas, algumas escritas recentemente e outras há algumas décadas
Paulo Briguet lança a coletânea "Nossa Senhora dos Ateus" que reúne 100 crônicas, algumas escritas recentemente e outras há algumas décadas |  Foto: Rosângela Vale/ Divulgação
 

O escritor comenta que o novo livro reúne crônicas recentes e textos produzidos há algumas décadas. “As mais antigas foram escritas há mais de 20 anos, e por alguma razão não haviam entrado nas coletâneas anteriores. Há, por exemplo, 'Manhã Inexistente', que em 2003 que venceu um Concurso Nacional de Literatura promovido pelo Clube Satélite, do Banco do Brasil. Gosto muito dessa crônica. Meus textos quase sempre têm um caráter memorialístico ― um exemplo é o texto que fecha o livro, 'Memórias de um Sobrevivente da Pandemia', que foi escrito neste ano, mas não se refere a acontecimentos atuais, e sim a uma dura experiência que tive aos 16 anos. Também tenho crônicas recentíssimas, que falam sobre a minha trajetória dentro do movimento conservador brasileiro”. 

Briguet afirma que o período em que os textos foram escritos não foi levado em conta na hora da seleção das crônicas que integram o livro. “A palavra crônica vem de Cronos, o deus grego do tempo. Paradoxalmente, a crônica é para mim o lugar onde o tempo não existe, em que eu posso reencontrar os entes queridos, rever passagens de minha vida, pedir perdão pelos pecados que cometi, corrigir as burradas que fiz e contemplar, todos os dias, a presença de quem está acima do tempo. Cronos não existe; quem existe é Deus”, ressalta ao destacar que religiosidade é um tema recorrente em seu novo livro.  

 “Eu fui ateu, ou pelo menos assim me considerava, dos 15 aos 30 anos. O acontecimento central de minha vida foi contemplar uma igreja destruída pelo fogo na cidade histórica de Mariana, em Minas Gerais, e chegar a uma conclusão devastadora: 'Esta é a minha alma'. Meu processo de conversão ― na verdade, de volta à Igreja Católica de minha infância ― levou bastante tempo, mas aquele instante foi o reencontro definitivo com Deus. De certo modo, a conversão (que também podemos chamar de metanoia) é o tema central de 'Nossa Senhora de Ateus”, diz.  

 O escritor enfatiza que o objetivo seguido por ele na hora de escolher as crônicas que fariam parte da coletânea foi emocionar seus leitores. “Escolho aquelas que, de alguma forma, tocaram o coração dos meus sete leitores. Uma das minhas maiores alegrias é ser abordado por desconhecidos que me agradecem por ter escrito alguma coisa que lhes fez bem ou os comoveu. Certa vez ouvi um conselho que me foi extremamente proveitoso: 'Escreva com o coração nas mãos'. É a melhor forma de encontrar a verdade, a beleza e a bondade ― estas três irmãs que sempre caminham lado a lado. A propósito, 'Nossa Senhora dos Ateus' é dedicado ao professor que me deu esse conselho”.  

Trabalhando atualmente como editor-chefe e colunista do jornal Brasil Sem Medo o jornalista acredita que apesar dos  avanços tecnológicos que têm provocado profundas mudanças nas formas de comunicação sempre haverá espaço para as crônicas. “Enquanto houver malucos como eu, dispostos a escrever com o coração nas mãos, a crônica continuará existindo. Se um dia ela morrer, algum escrevinhador, em algum lugar do mundo, ligará o seu computador disposto a falar sobre um acontecimento a quem ninguém deu a menor atenção. E então crônica ressuscitará”. 

Autor das coletâneas “Diário de Moby Dick”, em 1996 (em parceria com Paulo Lourenço, seu pai); “Repórter das Coisas”, em 2002; e “Aos Meus Sete Leitores”, Briguet atualmente trabalha na produção de três livros. “Estou escrevendo um romance, intitulado 'República Socialista do Brasil' e duas biografias, intituladas 'O Homem do Chapéu' e 'O Senhor da Engenho”, revela o jornalista que atuou como repórter e da FOLHA nos anos 1990 e assinou a Coluna Avenida Paraná entre 2016 e 2020. 

Serviço: 

Lançamento do livro “Nossa Senhora dos Ateus – 100 Crônicas de Paulo Briguet” 

Quando - Terça-feira (23), a partir das 18 horas 

Onde – Livraria da Vila (Aurora Shopping - Av. Ayrton Senna da Silva, 400) 

** Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM