Apesar dos primeiros registros datarem de 1609, a área conhecida como Guartelá foi descoberta em 1541 pela expedição do capitão espanhol D. Álvaro Nunez Cabeça de Vaca. A marca dos primeiros habitantes estão registradas em pinturas rupestres feitas nas formações rochosas. No século 18, a região foi desbravada pelo homem branco em busca de ouro e diamantes no Rio Iapó. O Guartelá também foi cenário das viagens dos tropeiros que percorriam os Campos Gerais, conduzindo o gado para a Feira de Sorocaba (SP). A memória dos tropeiros permanece até hoje através de seus descendentes que ainda moram na região, e também de um museu na cidade de Tibagi.
O nome, conta a lenda, surgiu da expressão ‘‘Guarda-te lá que cá bem fico’’, utilizada por um morador da região ao prevenir seu compadre de um ataque indígena.
A principal característica do Guartelá são os cânions – vales profundos e íngremes – e os lajeados – pequenos cursos d‘águas rasas. Os paredões típicos esculpidos pela natureza têm origem no Período Devoniano, há aproximadamente 400 milhões de anos.
Para visitar o Guartelá, recomenda-se a companhia de um guia. O Parque oferece área para camping, sanitários, centro de visitantes, lanchonete, estacionamento, centro de pesquisa e mirante.
O Parque Estadual do Guartelá está a 18 km de Tibagi, 34 km de Telêmaco Borba, 62 km de Castro, 100 km de Ponta Grossa e 225 km de Curitiba. (Da Redação)