Da Redação
Um dos mais importantes grupos de teatro de bonecos do mundo compartilha uma experiência de mais 30 anos com alunos que participam do 2º Encontro Mundial de Artes Cênicas (Ecum 2000), que acontece até o dia 25, em Belo Horizonte. O Giramundo, fundado pelo artista Álvaro Apocalypse, coordena a oficina de ‘‘Prática no Teatro de Bonecos’’ para 20 participantes, vindos de São Paulo, Paraná, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí, Paraíba, Maranhão, Minas Gerais e até de Dublin, na Irlanda do Norte.
Esta oficina inclui o estudo de dramaturgia, modelagem, pintura e projeto de construção, todos aplicados ao teatro de bonecos, além do teatro de sombra e do aprofundamento no estudo da origem dos diversos gêneros do teatro de bonecos.
Álvaro Apocalypse ensina que o teatro de bonecos sempre existiu em todas as regiões do mundo. No Brasil e América Latina, esta arte esteve ligada às tradições populares e o teatro de bonecos sempre foi relacionado à educação – fato que contribuiu para a sua preservação na América Latina e no Brasil.
A revalorização da arte do teatro de bonecos começou na década de 50, no Leste Europeu. O movimento logo se estendeu para o Ocidente, chegando ao Brasil ao final da década de 60, criando o ambiente favorável ao surgimento de grupos como o Giramundo.
Esta oficina visa transmitir métodos para alunos carentes de conhecimento e experiência em projeto, construção, articulação e manipulação de bonecos. Além do trabalho específico, os alunos vão levar para casa uma apostila preparada pelo Giramundo, contendo referências e rara bibliografia. São informações sobre métodos, articulações, gramática de manipulação e outras lições reunidas nas três décadas de existência do grupo. Informações jamais concentradas em uma única edição no Brasil. Apocalypse acredita que esse material é um verdadeiro tesouro, capaz de estimular o desenvolvimento da arte do teatro de bonecos.
Para Álvaro Apocalypse, essa paixão de mais de 30 anos tem uma definição: ‘‘O teatro de bonecos é a arte de maior extensão entre todas, por ser impossível a sua classificação ou segmentação.’’