EU E A PERSONAGEM



Márcio Scatrut



Renata Zhaneta fala de Lilian Hollyday, sua personagem em ‘‘Happy End’’
‘‘A Lilian é uma personagem bastante diferente de mim, porque é uma religiosa fervorosíssima, fanática. Para construir o personagem, a gente pode partir do que o texto propõe e viajar. A gente fez de tudo, desde tentar trabalhar na gênese social e, principalmente, trabalhar com questões do antes e depois. Como toda a obra do Brecht é dialética, essa personagem é muito contraditória. Apesar de Lilian ter sido construída com uma religiosa, existe uma mulher dentro dela que quer sair. Quando conhece Bill, essa mulher fala alto dentro dela. Trabalhei a contradição o tempo todo e o mais difícil foi achar a medida certa. Entre outras coisas, também precisei mudar fisicamente para o papel: eu sou muito hippie, tenho cabelo meio vermelho. Esquisito para uma personagem religiosa. Achei, então, uma peruca anos 20, quadradinha.’’