Em 1921, Pirandello levou ao palco do Teatro Valle, em Roma, sua peça mais clássica e admirável, “Seis Personagens à Procura de Um Autor”.

Uma criação tão transformadora que, ao final da apresentação, um publico raivoso gritava: “vergonha!”, “loucura!” , “fraude!” , deixando clara sua repulsa ao ousado experimento de Pirandello. Mas como foi que o grande dramaturgo siciliano, Nobel de Literatura em 1934, escreveu este texto e concebeu uma montagem que quebrou a quarta parede (o personagem fala diretamente para o público) e as regras da encenação? O diretor Roberto Andò sugere a resposta a esta pergunta neste “A Estranha Comédia da Vida”, em exibição no Cine Ouro Verde dias 11, 12 e 13 – próximas segunda, terça e quarta.

O filme é baseado em acontecimento real: a viagem que Pirandello (vivido por Toni Servillo) fez à Sicília por ocasião do aniversário do escritor Giovanni Verga (estamos em 1920), para quem o autor de “O Falecido Matías Pascal” fez uma homenagem. A partir daqui, entra o imaginário do diretor Andò e seus co-roteiristas, Massimo Gaudioso e Ugo Chiti, criando um contratempo que obriga Pirandello a ficar em sua terra natal, Girgenti (hoje Agrigento) por mais dias do que o planejado, devido à morte de sua querida babá (Aurora Quattrocchi ).

O filme é baseado em acontecimento real: a viagem que Pirandello (vivido por Toni Servillo) fez à Sicília por ocasião do aniversário do escritor Giovanni Verga em 1920
O filme é baseado em acontecimento real: a viagem que Pirandello (vivido por Toni Servillo) fez à Sicília por ocasião do aniversário do escritor Giovanni Verga em 1920 | Foto: Divulgação

E, neste contexto funerário, o autor siciliano conhece Sebastiano e Onófrio (a dupla cômica Ficarra e Picone), os dois coveiros da cidade que de dia ajudam o escritor a garantir um enterro digno à falecida, e de noite tentam fazer teatro, dirigindo uma companhia de amadores formada por vários concidadãos de talento duvidoso. Pirandello, no momento em plena crise criativa e em busca de inspiração para seu próximo trabalho, observa, analisa, reescreve, desce do pedestal e se deixa levar (e entreter) por esse desorganizado grupo de atores.

A singularidade da visão de Andò é a forma como Pirandello se despoja de sua aura de fama e retira qualquer densidade intelectual de seu processo criativo, deixando-se viver e respirar, ao mesmo tempo em que destaca a inquietação interior do protagonista. “La Stranezza” é um filme sobre teatro que também analisa o público: de um lado, há uma plateia maravilhada, entretida com estas descrições absurdas, e por outro lado há este público que protesta quando se depara com uma nova forma de fazer teatro porque ainda precisa das ferramentas necessárias para compreendê-lo. Fato e ficção, drama e comédia se unem de forma divertida neste picaresco e original filme com ilustres participações especiais (Renato Carpentieri e Luigi Lo Cascio, ótimos interpretes italianos), e que enfrenta com talento seu maior desafio, o de reunir um grande ator sério como Toni Servillo e a popular dupla siciliana de comicos, Ficarra e Picone. Uma rara combinação que deu certo.

Veja o trailer de "Um Estranha Comédia":