Se, nas outras ilhas, a areia branca marca o cenário, em Santorini, a maioria das praias, como Kamari e Perissa, tem areia escura. Na verdade, Santorini, procurado por windsurfistas do mundo inteiro, é um arquipélago formado por três ilhas: Thira (a principal), Aspronisi e Thirasia.
Em Thira estão as melhores atrações. O vilarejo de Akrotiri, ao sul da ilha, foi coberto de lava vulcânica em 1450 a.C., e grande parte do que foi soterrado só foi encontrado no século 20. Já a capital, Fira, é o centro noturno da ilha. De música eletrônica a pop grego, passando por rock e blues, há bares e casas noturnas para todos os gostos.
Para acompanhar a noitada, vale experimentar o vinho produzido em Santorini, um dos melhores da Grécia. É feito com três variedades de uvas (Assyrtiko, a mais conhecida, Athiri e Aidani) e custa pouco.
A outra parada, é Rhodes, onde aproximadamente quatro quilômetros de muralhas cercam a Cidade Antiga, na porção leste da ilha homônima. Essa pequena área parece ter parado no tempo no bom sentido. Nela, há a Rua dos Cavaleiros, um castelo medieval do século 14 e a Acrópole, com seu Stadium abrigando o teatro Odeum. Não perca também o famoso Porto de Rhodes, nas imediações do centro antigo.
Já à noite, como nas outras ilhas, o verbo é agitar. Quando começa a anoitecer, a Rua Hermou, em Faliraki, ao norte, vira uma única e democrática danceteria. Os bares viram suas caixas de som para a rua e todos dançam, sem constrangimento. Mas essa cena é apenas o aquecimento para o que vem mais tarde: à meia-noite, a festa ali acaba, para recomeçar nas casas noturnas da Avenida Kalithea.